Janeiro encerra com saldo de 49 vagas de trabalho

Levantamento do Caged diz ainda que o Brasil criou 77,8 mil postos, sendo que o resultado é o melhor para o mês desde 2012

GABRIEL BUOSI - Da Redação • 03/03/2018 13:39:59

. Foto: Arquivo, Construção Civil foi o setor que se destacou na região pelo saldo negativo em 159 vagas

A 10ª RA (Região Administrativa) do Estado de São Paulo, que tem Presidente Prudente como sede e é composta por 53 municípios, fechou o mês de janeiro com saldo positivo de 49 postos de trabalho. Os dados foram divulgados ontem pelo Ministério do Trabalho e fazem parte do Caged (Cadastro Geral de Empregados e Desempregados). O setor que apresentou o melhor desempenho no primeiro mês do ano foi o de Agropecuária, Extração Vegetal, Caça e Pesca, com saldo positivo em 173 vagas, seguido do setor de Serviços, com 118 postos de trabalho. Ao todo, foram 949 admissões, contra 900 demissões.

Sobre o melhor desempenho, Rancharia se destaca, já que 107 das 173 vagas foram abertas na cidade. Para o presidente do Sindicato Rural do município, Arthur Ernest Lamers, saber que os números são positivos para o setor é motivo de comemoração, além de comprovarem o que já era aguardado pelos produtores rurais, a melhora no ramo. “A reação é notável e está aí comprovada nos dados. Com isso, vejo que as contratações aumentam cada vez mais e isso é fundamental, já que o agronegócio puxa o país para frente, além de ser a base da economia”, esclarece.

Arthur informa ainda que o ano de 2017 não foi tão favorável ao setor, que para ele ainda precisa ser valorizado, mas diz que, independente dos números, os produtores rurais sempre foram otimistas “por natureza”, o que, certamente, influenciou na ascensão. Sobre o saldo de 107 postos de trabalho, o presidente se lembra da aproximação das safras da soja e também da cana-de-açúcar, o que podem ter produzido o sinal de melhora, já que o município conta com tais plantações.

A pesquisa analisa oito setores ao todo (veja a tabela) e aponta destaque negativo para a Construção Civil, que teve o pior desemprenho com 159 postos de trabalho. Presidente Prudente, neste setor, foi a que teve o pior desempenho, com o fechamento de 94 vagas. A reportagem entrou em contato com o Sinduscon (Sindicato da Indústria da Construção Civil do Estado de São Paulo) para repercutir os dados expressivos, mas foi informada de que para a data [ontem] não haveria um porta-voz disponível.

Ainda no cenário não favorável está o setor do Comércio, que finalizou com o saldo negativo de 125 vagas, sendo que a cidade com o maior número de fechamentos foi Prudente, com 47 postos de trabalho. De acordo com o presidente do Sincomércio (Sindicato do Comércio Varejista de Presidente Prudente e Região), Vitalino Crellis, os números já eram esperados e podem apresentar piora no mês de fevereiro. “O último dezembro foi fraco para o comércio, o que impacta na geração de novas vagas e produz uma cadeia de demissões. Isso é resultado da quantidade de despesas que os empresários possuem no início do ano e, com o medo, não arriscam em novos funcionários”, salienta.

A expectativa para o setor, no entanto, é de melhoras a partir de março, já que os empresários teriam quitado a maioria das dívidas e poderiam voltar a investir. Para obter informações dos demais setores, veja a tabela.

 

No país

Em janeiro, o Brasil criou 77.822 mil novos postos formais de trabalho, de acordo com o Caged, divulgado ontem pelo Ministério do Trabalho. O resultado é o melhor para o período desde 2012, e é a primeira vez desde 2014 que as contratações superam as demissões. O saldo é resultado de 1,3 milhão de admissões e 1,2 milhão de desligamentos. Considerados os últimos 12 meses, de fevereiro de 2017 a janeiro foram criadas 83,5 mil postos com carteira de trabalho.

Estilo do Site
  • Luz
  • Alto Contraste