Cotidiano

Interior paulista atrai 80% de recursos de agência do governo

A Desenvolve SP (Agência de Desenvolvimento Paulista) divulgou esta semana que até o final deste mês de dezembro serão desembolsados aproximadamente R$ 463,5 milhões em operações de crédito para PMEs (pequenas e médias empresas) e municípios paulistas. Um dado que chama atenção no balanço é que, desse montante, cerca de 80% atendem demandas do interior do Estado. Na soma, o valor representa um crescimento de 31% em comparação aos números registrados em 2017. Este ano, a maior parte do montante, 82%, foi destinado ao setor privado, contra 18% para o setor público. Para os técnicos da agência, o

  • 19/12/2018 05:30
  • Contexto Paulista

Interior paulista atrai 80% de

recursos de agência do governo

A Desenvolve SP (Agência de Desenvolvimento Paulista) divulgou esta semana que até o final deste mês de dezembro serão desembolsados aproximadamente R$ 463,5 milhões em operações de crédito para PMEs (pequenas e médias empresas) e municípios paulistas. Um dado que chama atenção no balanço é que, desse montante, cerca de 80% atendem demandas do interior do Estado. Na soma, o valor representa um crescimento de 31% em comparação aos números registrados em 2017. Este ano, a maior parte do montante, 82%, foi destinado ao setor privado, contra 18% para o setor público. Para os técnicos da agência, o aumento consolidado dos desembolsos em 2018 já era esperado e apenas confirma a progressão gradual dos empréstimos que se desenhou com a recuperação da economia, especialmente no segundo semestre. “Mesmo com todos os sobressaltos ao longo do ano, a confiança na economia foi mantida entre as PMEs paulistas, que continuaram a buscar crédito para crescer”, diz Álvaro Sedlacek, presidente da Desenvolve SP.

 

Investimentos em alta

A busca por recursos para projetos de investimento merece destaque no balanço do ano da agência. A modalidade representa R$ 242 milhões (ou 52%) do valor desembolsado pela Desenvolve SP durante 2018. O montante foi aplicado em projetos voltados para a formação bruta de capital fixo, permitindo o aumento da capacidade produtiva das empresas e, consequentemente, da geração de empregos e renda. Já os empréstimos para capital giro, essencial para financiar a continuidade das operações da empresa, totalizaram R$ 221,5 milhões (48%) dos desembolsos. O financiamento de projetos inovadores vem ganhando espaço de maneira orgânica na carteira da instituição.

 

De vento em popa

Outra boa notícia para a economia paulista: a Piesp (Pesquisa de Investimentos Anunciados no Estado de São Paulo), elaborada pela Fundação Seade (Sistema Estadual de Análise de Dados), registrou investimentos de US$ 3,93 bilhões no 3º trimestre de 2018. No período acumulado dos últimos quatro trimestres, o montante foi de US$ 12,41 bilhões. Mais de 70% do total apurado entre julho e setembro de 2018 envolveram investimentos em infraestrutura, especialmente no transporte aéreo. Outros 23,6% referem-se à indústria, 4,3% aos serviços e 0,3% ao comércio. Nesse terceiro trimestre, 52,4% dos investimentos destinaram-se à região Metropolitana de São Paulo, 17,8% à Baixada Santista e 20,5% dividiram-se entre as regiões administrativas de São José dos Campos e de Campinas.

 

Porta de entrada

O Estado de São Paulo concentra a maior fatia do PIB (Produto Interno Bruto) brasileiro, aproximadamente 31% do bolo. As empresas buscam investir em diferentes regiões do Estado como porta de entrada para expandir pelo território brasileiro. A partir desse grande mercado, elas exportam para toda a América Latina. O Estado de São Paulo tem um enorme potencial econômico, resultado da capacidade produtiva, mão de obra qualificada, logística, variedade de fornecedores e cadeia de suprimentos de alto padrão e um ambiente institucional seguro para investimentos.

 

Vocações regionais

Outra agência ligada ao governo estadual, a Investe São Paulo (Agência Paulista de Promoção de Investimentos e Competitividade) assumiu como bandeira mostrar aos investidores do país e exterior os atributos e as vocações das 645 cidades paulistas. Já soma mais de 200 projetos com seu apoio, sendo 48% de empresas com capital de origem estrangeiro. As multinacionais representam mais de R$ 28 bilhões de investimentos no Estado e são responsáveis pela geração de mais de 58 mil novos postos de trabalho nos últimos nove anos. “As quase 150 multinacionais que estão aqui enxergam o potencial logístico e econômico”, diz Sérgio Costa, diretor da agência, segundo o qual as companhias de fora do país têm se interessado por São Paulo para investimentos de médio e longo prazos também.

 

Mapa mundi

As empresas norte-americanas correspondem a 31% dos projetos com capital estrangeiro, com destaque para a indústria da transformação, setor automotivo, máquinas e equipamentos, pesquisa e desenvolvimento, alimentos e bebidas. O continente asiático também tem bastante representatividade nos negócios paulistas, principalmente no setor automotivo. Os investimentos dos países europeus são mais diversificados, destacando-se os segmentos de máquinas e equipamentos, saúde e ciências da vida, indústria da transformação e automotivo. A América Latina está representada com negócios no segmento metal mecânico e indústria da transformação. e os países árabes pelo setor de serviços.

                    

E mais

  • A Mercedes-Benz comemora a produção de 20 mil carros na fábrica de Iracemápolis. Inaugurada em 2016, a planta recebeu investimento de R$ 700 milhões para fazer os modelos Classe C e GLA.
  • Receberam a espada 236 aspirantes a oficiais que concluíram o curso de bacharelado de Ciências Policiais de Segurança e Ordem Pública, dos quais 27 mulheres. São os futuros tenentes da Polícia Militar paulista. O curso teve 5,5 mil horas de aulas, em três anos de estudos.