Ensino superior

Início da graduação requer amadurecimento emocional

  • 30/01/2019 09:54
  • GABRIEL BUOSI - Da Redação

Quando o assunto é o ensino superior, diversas são as expectativas: aquelas que vêm desde a decisão do curso a seguir, do momento de estudos, dos vestibulares, da aprovação e, finalmente, do primeiro dia de aula. É a partir destes momentos de expectativa que, segundo a psicóloga Fernanda Passetti, jovens começam a idealizar como será esse novo relacionamento com amigos, professores e a demanda da vida acadêmica. “Eles tentam entender como tudo isso será usufruído e sabem que isso requer uma preparação muito grande. É preciso dizer, no entanto, que lidar com todo esse processo requer amadurecimento emocional, pois nem sempre o que está na expectativa é o cenário real encontrado pelo estudante”, pontua.

Ainda de acordo com Fernanda, o primeiro ano de uma graduação “nunca será o mais fácil”, pois é neste momento que chegarão as novidades, o período de adaptação e o sentimento de necessidade de integração em tudo por parte do estudante. “É possível que calouros não se adaptem logo de primeira, justamente por ser algo novo. Como eu disse, as expectativas são muito idealizadas e podem não condizer com a realidade, então, isso pode gerar frustração, o que diminui muito o envolvimento acadêmico”.

No entanto, a psicóloga ressalta que desistir do curso, diante das dificuldades, não deve ser uma opção, já que é “preciso ter calma”. “O crescimento na faculdade é gradual, o estudante não saberá tudo de início. Por isso, participe de atividades extracurriculares, faça projetos e pesquisas, pois a realidade da profissão vai ajudar a não desistir”. Neste momento, Fernanda lembra que o apoio da família e amigos é fundamental, já que palavras de orientação e estímulo podem ser muito bem-vindas neste momento, até para que os jovens entendam que são capazes de chegar onde querem e de enfrentar obstáculos. 

PERFIL

                                                               Marcio Oliveira

Nome: Ana Carolina Viel

Idade: 18 anos

Curso: Medicina

Universidade: Unoeste (Universidade do Oeste Paulista)

Cidade: Presidente Prudente

Como foi a escolha do curso e o que te motivou a optar por ele?

Medicina sempre foi o curso que quis cursar. Claro que durante a escola surgem muitas dúvidas na cabeça, mas nunca deixou de ser uma opção. E foi em uma feira de profissões que eu realmente decidi que era o que queria como profissão, justamente por gostar da área da saúde e querer cuidar e ter contato com pessoas.

Estudar em Prudente sempre foi uma opção, por ser mais próximo da família, ou chegou a pensar em ir para fora?

Pensei algumas vezes sobre como seria morar fora de Prudente, mas quando cheguei ao ponto de decidir a faculdade, escolhi ficar aqui por conta da família.

Como foi sua preparação para entrar na faculdade? Precisou estudar em casa, cursinho, fazer vestibulares para treinar? Por quanto tempo?

Comecei a prestar vestibulares no final do meu segundo ano do ensino médio. Depois de formada, ainda fiz um ano de cursinho pré-vestibular. Foi um ano intenso de estudos e de muita preparação psicológica para no final chegar onde sempre sonhei.

Nesse processo antes da faculdade, quais foram os desafios que você encontrou?

É muita ansiedade e medo por não saber como vai ser esse período, pois é um mundo novo, com novos desafios que vão, com certeza, exigir muito de mim em relação a estudos e afins.

Quais são suas expectativas para o início das aulas? Quando elas começam e o que você espera?

Espero que tudo dê certo e eu consiga me manter focada e tranquila durante o curso. Começo as aulas na próxima segunda-feira, dia 4, e penso que esse é um sentimento de realização e de gratidão muito grande.

TROTE DO BEM

Não é difícil ver veículos de comunicação, em períodos de início de ano letivo, informarem incidentes com os famosos trotes aos calouros, que, muitas vezes, terminam de maneira não muito agradável. Na contramão dessa prática, muitas vezes violentas, duas instituições de ensino aproveitam a oportunidade para, em um trote do bem, levar a solidariedade e a empatia. A Toledo Prudente Centro Universitário, em 2019, por exemplo, realizará o Projeto Doe-se, quando sensibilizará alunos para realização de atividades voluntárias de diversos tipos em três diferentes locais: Lar dos Meninos, Lar São Rafael e Associação dos Cegos, em Presidente Prudente. “O dia oficial da ação será 23 de fevereiro e envolverá alunos de todos os cursos de graduação, aproximadamente 3,5 mil. No mais, estamos com parceria com o Banco Santander na campanha de doação de sangue #EuDouOSangue mobilizando alunos para a doação”, informa a unidade.

A Unoeste (Universidade do Oeste Paulista), por sua vez, lembra que estimula alternativas criativas ao trote violento e afirma que deixa que cada curso defina o seu trote do bem. Alguns, inclusive, já estão com ações programadas, como o curso de Medicina Veterinária, que deve arrecadar rações para cães e gatos. “No trote do ano passado, arrecadaram mais de 1 tonelada. Há seis anos é realizada essa ação. A ração é destinada para entidades protetoras dos animais, como são os casos, entre outros, da Pastoral da Vila Maristela, do SOS Animais de Pirapozinho, e para Narandiba”. Outras ações estão previstas também, como a doação de medicamentos, por parte da Medicina, e arrecadação de escovas e pasta de dentes, na Odontologia.

“A Unoeste visa promover uma integração saudável entre calouros, veteranos e toda a comunidade. Por esta razão, o trote entre alunos da universidade é proibido em todas as dependências da universidade ou mesmo fora dela. os envolvidos ficam sujeitos à punição [...]. A recepção aos calouros deve ser motivo de festa, não de exploração ou humilhação”. Entre as atividades proibidas estão a realização de pedágios, pinturas em calouros e cobrança de taxas.

DICAS DE FILME

Código de Silêncio (2017)

                                                                     Divulgação

A iniciação acadêmica do ensino superior nos Estados Unidos, em diversos aspectos, é diferente da realizada em países da América Latina, como é o caso do Brasil. Lá, é comum encontrar as conhecidas fraternidades, que realizam trotes considerados, muitas vezes, como violentos e que mexem diretamente com o psicológico dos estudantes. É justamente este o objetivo do filme Código de Silêncio, de 2017. É que durante sua semana de iniciação para a Fraternidade Lambda Phi, o jovem Zurich se sente dividido entre sofrer com esse processo de desgaste emocional e físico, mantendo o código de silêncio do trote, ou falar abertamente sobre a prática abusiva.

A Rede Social (2010)

                                                                       Divulgação

O filme não é novo, mas é sempre um aprendizado aos estudantes, de forma que se inspirem na história do criador da rede social Facebook, Mark Zuckerberg, enquanto estudante de analista de sistemas em Harvard, uma das universidades mais conhecidas em todo o mundo. O longa é conhecido por retratar fielmente a trajetória do jovem, que teve a vida completamente mudada após conquistar o mundo com a nova plataforma digital e se tornar milionário. A intenção, a quem assiste, é justamente a de inspirar e mostrar que é sempre tempo de aproveitar o período acadêmico da melhor maneira possível.