Cotidiano

Indicador do comércio aponta alta no otimismo

Levantamento da Fecomercio-SP (Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Estado de São Paulo) apontou alta de 6,5% do IEC (Índice de Expansão do Comércio) no mês de novembro. O indicador passou de 94,8 pontos em outubro para 101 pontos. Também foi registrada alta de 1,6% na comparação com o mesmo mês no ano passado. De acordo com o estudo, o índice que representa a propensão do empresário em investir aumentou 6,4% em relação a outubro, passando de 77,4 pontos para 82,4 pontos no mês atual. Na comparação com o mesmo período do ano passado, o componente obteve alta de 4,7%. O item que

  • 28/11/2018 05:30
  • Contexto Paulista

Indicador do comércio

aponta alta no otimismo

Levantamento da Fecomercio-SP (Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Estado de São Paulo) apontou alta de 6,5% do IEC (Índice de Expansão do Comércio) no mês de novembro. O indicador passou de 94,8 pontos em outubro para 101 pontos. Também foi registrada alta de 1,6% na comparação com o mesmo mês no ano passado. De acordo com o estudo, o índice que representa a propensão do empresário em investir aumentou 6,4% em relação a outubro, passando de 77,4 pontos para 82,4 pontos no mês atual. Na comparação com o mesmo período do ano passado, o componente obteve alta de 4,7%. O item que mede a expectativa de novas contratações subiu 6,6% na mesma base de comparação, com 119,5 pontos em novembro contra 112,1 pontos em outubro. O IEC é apurado mensalmente e reúne dados de 600 empresários.

 

Atividade industrial em alta

A atividade industrial ganhou fôlego em outubro e cresceu em ritmo superior ao observado no ano passado, segundo sondagem industrial divulgada segunda-feira pela CNI (Confederação Nacional da Indústria). O índice de evolução da produção passou de 47,2 pontos, em setembro, para 54,7 pontos, em outubro. Outro indicador que melhorou na passagem de setembro para outubro foi o da UCI (Utilização da Capacidade Instalada), que subiu um ponto porcentual no período, saindo de 68% para 69%. Os estoques também diminuíram, chegando mais próximo do esperado pelos empresários. “Sinaliza que o empresário está percebendo uma melhora da demanda e sugere que este final de ano deverá ser melhor que o do ano passado”, afirma Marcelo Azevedo, economista da CNI.

 

Otimismo cresce

Segundo o estudo da CNI, o otimismo do empresário cresceu em novembro, com os índices de expectativa de demanda, compras de matérias-primas e quantidade exportada todos acima da linha de 50 pontos. O indicador de expectativas sobre a demanda aumentou para 56,6 pontos, o de compras de matérias-primas subiu para 54,4 pontos e o de exportações alcançou 52,8 pontos em novembro. O levantamento destaca ainda que o otimismo do empresariado inclui a intenção de fazer contratações nos próximos seis meses. Além disso, os empresários também estão mais dispostos a fazer investimentos. A Sondagem Industrial foi feita entre 1º e 14 de novembro em todo o país com 2.138 indústrias - de pequeno, médio e grande portes.

 

Previsão de obras

A Gerdau anunciou investimento de R$ 550 milhões em sua usina em Pindamonhangaba, no Vale do Paraíba. “Esse é um sinal de otimismo e confiança no próximo governo”, afirmou o presidente da siderúrgica, Gustavo Werneck. Segundo o Estadão, a expectativa da Gerdau para o consumo de aço no Brasil para o próximo ano é “bastante positiva”, diante da percepção de que entraves para novos investimentos no país devem ser solucionados nos primeiros meses de 2019. “As obras com o novo governo devem aparecer de forma mais intensa”, disse Werneck, lembrando que nesse setor a recuperação possui um ritmo um pouco mais lento.

 

Deloitte atesta novo ânimo

Pesquisa da Deloitte de novembro aponta que um número maior de empresários pretende investir em 2019; 97% dos empresários entrevistados pretendem investir mais no próximo ano, e 47% pretendem criar novos postos de trabalho. Lançamento de novos produtos e adoção de novas tecnologias estão entre as estratégias de planejamento. A pesquisa Deloitte ouviu 826 empresas que tiveram um faturamento que corresponde a 43% do PIB (Produto Interno Bruto) nacional em 2017.

 

No Alto Tietê

A empresa Rayflex anunciou investimento de R$ 10 milhões no Distrito Industrial Taboão, em Mogi das Cruzes, segundo O Diário, da Rede APJ (Associação Paulista de Jornais). A unidade, que funcionou durante três décadas em Itaquaquecetuba, fabrica portas industriais.

 

No ABC

A Auto Prime, de São Bernardo do Campo, é a primeira concessionária da rede Ford a adotar novo padrão de arquitetura, chamado Signature. A novidade foi inaugurada esta semana com a presença de Elena Ford, líder global da área de experiência do consumidor.

 

No Vale do Paraíba

Instituída em abril deste ano para atrair novas empresas do setor logístico, a Lei da Logística começa a gerar os primeiros resultados em São José dos Campos, segundo O Vale, da Rede APJ. A lei concede isenção de impostos por até cinco anos para incentivar a implantação de novos condomínios logísticos na cidade. A empresa Armavale criou um novo complexo de armazenamento de contêineres, com investimento de R$ 2 milhões, que deve gerar 100 novas vagas de emprego.

 

De vento em popa

  • A indústria têxtil Fabril Scavoni anunciou a construção de uma fábrica em Itatiba.
  • O Grupo B2E lançou a sua fábrica em Cotia, que vai produzir cosméticos e peças eletrônicas como secadores e pranchas de cabelo.
  • A HM Engenharia investirá R$ 10 milhões em Campinas.
  • A Neo Rodas está investindo R$ 20 milhões em uma planta de pintura automática em Vinhedo.
  • A Tetra Pak, de Monte Mor, fabricante de embalagens para alimentos, iniciou as operações de uma mini fábrica para testes de novos produtos. É parte de um investimento de R$ 40 milhões em um centro de inovação ao cliente.