COTIDIANO

Idosos merecem respeito, carinho e garantia de todos os seus direitos

  • 28/06/2019 04:00

Na semana em que Prudente realiza uma série de atividades em alusão à Semana de Prevenção de Quedas em Idosos, o CRI (Centro de Referência do Idoso) Feliz Idade recebeu, na manhã de ontem, um evento que apresentou os dados sobre a violência contra idosos no município. Os resultados foram expostos na edição de hoje de O Imparcial e revelam que, num período de cinco anos, a DPI (Delegacia de Proteção Especial ao Idoso) registrou uma média de 489 ocorrências de violência contra o idoso por ano. Isso significa mais do que um caso de violação por dia.

O estudo, realizado por estudantes da Unoeste (Universidade do Oeste Paulista), destaca ainda que, entre 2013 e 2017, foram computados 929 boletins de ocorrência por violência emocional. Outro dado alarmante é que, em 51,5% dos casos, os autores não foram declarados pelas vítimas, certamente por medo ou intimidação. Os números assustam e sugerem que, no dia de hoje, pelo menos um idoso pode estar sendo violentado na cidade, dentro ou fora de sua própria casa.

Além do fortalecimento de campanhas que encorajem a denúncia por parte das vítimas ou de pessoas que conhecem a realidade à qual o idoso está submetido, é preciso mais do que nunca que conscientizemos a sociedade, desde a idade mais tenra, sobre a importância do respeito aos mais velhos, o que só será possível a partir da educação de todas as gerações e a mudança de comportamento. O idoso não pode ser visto como uma pessoa inútil e incapaz, mas como um ser humano detentor de direitos. Direitos estes que devem ser preservados a fim de garantir a sua dignidade até o fim de sua vida.

Vale lembrar que todo ser humano deve ter a empatia de se colocar no lugar dos idosos, uma vez que o envelhecimento é um processo natural da vida e que chegará a todos que atingir esta fase. Depois de anos de trabalho duro e dedicação ao lar e à família, nada mais justo que os cidadãos apreciem a velhice com qualidade de vida, sem serem expostos a qualquer tipo de violência, constrangimento ou degradação. Para respeitá-los, não é necessário mais do que amor, carinho, paciência, compreensão, generosidade e auxílio. Desde que tenham seus direitos assegurados e seus limites respeitados, todos os idosos poderão viver de forma plena e feliz.