José Reis - Romeiros vêm de diversas localidades para agradecimentos e pedidos ao santo

Foto: José Reis - Romeiros vêm de diversas localidades para agradecimentos e pedidos ao santo

ROMARIA

Histórias de fé marcam agradecimentos a Santo Expedito

  • 20/04/2019 04:32
  • THIAGO MORELLO - Da Reportagem Local

A cidade de Santo Expedito fica localizada no oeste do estado de São Paulo, cujo principal acesso vem pela Rodovia Júlio Budisk (SP-501). Mas além do simples detalhe técnico e geográfico, ao longo desse caminho viário, na manhã de ontem, o cenário era muito mais do que a estrada e a paisagem verde que a cerca. Quanto mais próximo da cidade, mais dava para ver fiéis a pé em direção do santuário ou da Paróquia de Santo Expedito, traçando no caminho histórias de fé que marcam algumas das formas de agradecer ou pedir intercessão à santidade que leva o nome da cidade.

E por vezes, esses agradecimentos e pedidos vêm em forma de sacrífico. Pelo caminho, detalhes como ver fiéis descalços em pleno sol de 31ºC, outros cobrindo a cabeça com panos para se proteger, alguns mancando por talvez estar no limite do esforço físico ou o choro que escorre pela face,  da emoção de viver aquele momento, são pontos que não podem passar despercebidos.

E não passaram. Em um desses protagonismos, está o calheiro Orlando Luiz França, morador de Tarabai. A cidade também foi o ponto de partida dele e de alguns amigos, que saíram em romaria com direção a Santo Expedito: 90 km, esse foi o trajeto percorrido, a pé. O resultado? Bolhas no pé, cansaço, desgaste físico e felicidade. “Felicidade em poder cumprir uma promessa feita há anos. E chegar aqui e ver esse pessoal todo? Ah, não tem emoção maior”, comenta.

Por trás do trajeto, a história que o fiel carrega está relacionada à família, pois, segundo ele, num momento de “agonia e discussões familiares”, a única vontade que tinha era de ver a filha, ao qual foi privado. “Eu me dediquei a falar com ele e pedi para que eu conseguisse ter a minha pequena em meus braços. No mesmo dia ele me atendeu”, conta. Por isso, há dois anos ele cumpre o que prometeu: atravessar as cidades em romaria.

E família também foi o que motivou a ida da Geani Souza, 34 anos, até o local. Moradora de Teodoro Sampaio, de longe já dava para ver a advogada aos pés da imagem do santo, no interior da igreja, segurando o choro em seu momento de fala junto a ele. Choro que não foi contido ao se levantar, dando espaço para as lágrimas. À reportagem, ela conta que todos os anos alguém da família vai até lá agradecer pela graça concedida a uns dos membros do grupo familiar, sobre o sonho de se formar na faculdade de Medicina. “E fora isso, agradecemos sempre pela vida, pela saúde. É uma emoção muito grande estar aqui”, afirma. São 11 anos cumprindo uma promessa.

Do lado de fora da igreja, existem histórias que chegam há até duas décadas. Na fila quilométrica, Iselda Salomão Felipe, 59 anos, de Indiana, além de ter milhares de pessoas atrás dela esperando pelo momento de passar a mão na imagem do santo, em suas costas também há uma promessa de 19 anos. Nesse tempo atrás, ela conta que o marido, que trabalha como pedreiro, foi diagnosticado com uma doença que poderia até mesmo impedi-lo de andar. “Então, a gente ficou desesperado e não sabia mais o que fazer. Foi quando intercedemos ao santo das causas urgente. E ele nos atendeu”, felicita.

Iselda e o marido, no momento da entrevista, já estavam a cerca de 2 horas na fila, sob o sol quente, mas com o sorriso no rosto. Para eles, essa é a forma de presentear o santo, no dia do aniversário dele. Mas hoje, também é aniversário do bancário Murilo César Scobosa Silva, 41 anos. Ou seja, para ele, a comemoração foi em dose dupla. “Sexta-Feira Santa, meu aniversário amanhã [hoje] e o Dia de Santo Expedito. São muitas coisas pelo que refletir e celebrar”, comenta.

E assim ele fez. De joelhos no chão da igreja, Murilo ficou por minutos em momento de reflexão. De família católica, mas de conexão com Santo Expedito de forma singular, como ele mesmo diz, o dia foi de agradecer conquistas particulares. “Eu moro em Presidente Prudente e acredito que, nesse dia, não importa o local, mas sim a fé e o agradecimento. Mas estar aqui traz sim uma emoção diferente”, completa.

Fotos: José Reis

Murilo Silva, de Prudente

 

Geani, de Teodoro Sampaio

 

Orlando percorreu 90 km

 

Iselda Felipe, de Indiana