Paulo Miguel - Ao final da partida de três horas, Thunders x Rippers reforçam união e respeito da modalidade

Foto: Paulo Miguel - Ao final da partida de três horas, Thunders x Rippers reforçam união e respeito da modalidade

RIPPERS VENCE THUNDERS

Futebol americano atrai fiéis torcedores em PP

Touchdown de recepção de Esley #83, conversão de 2 pontos de recepção do mesmo jogador e touchdown de corrida de Erick #6 deu a vitória ao time de Monte Alto

  • 27/08/2019 06:45
  • OSLAINE SILVA - Da Reportagem Local

O middle linebackers (jogador na linha de defesa), Diego Cruzato, 32 anos, que trabalha numa empresa de segurança e monitoramento, em Jaboticabal (SP), onde mora, embora modesto e respeitando o adversário Prudente Thunders, previu a vitória do seu time, Rippers de Monte Alto, antes mesmo de o jogo começar: “Acredito que será um bom jogo, ‘pegado’, que no primeiro tempo será bem estudado, pois ambos não conhecemos bem as táticas de jogo do outro. Mas, estamos bem focados e preparados [risos]”. Touchdown de recepção de Esley #83, conversão de 2 pontos de recepção do mesmo jogador e touchdown de corrida de Erick #6! Estes foram os pontos feitos levando seu time a ganhar por 14 a 0 da equipe da casa, num jogo emocionante, que iniciou às 10h encerrando às 13h, no Estádio Paulo Constantino, o Prudentão, no domingo.

Mesmo com o resultado final claro, já antes do final do jogo, embora pequena, a torcida estava bastante animada, barulhenta, incentivando o trovão o tempo todo. Foi bonita a “grande presença” dos poucos torcedores.

Durante o intervalo do primeiro tempo, a reportagem foi para as arquibancadas e notou mais contido, mas ali torcendo pelo Thunders, pela primeira assistindo a uma partida de futebol americano, o funileiro João Batista Franzão, 61 anos. “Vim a convite de um amigo. É bacana a divulgação para que a população passe a conhecer mais o esporte”, expôs Franzão.

Entre os poucos, mas fiéis torcedores, estava o estudante e também jogador da modalidade, Gabriel Breno Pereira, 24 anos, e sua namorada, a bacharel em Direito, Kelly Cristina Gomes dos Santos, 24 anos. “A bola não está rolando, os passes não estão saindo. Um detalhe ou outro faz muita diferença”, lamentou o jogador, que resolveu dar um tempo dos gramados.

Acompanhado do pequeno Artur, 2 anos, o ex-velocista e jogador do Prudente Coronéis, agora Thunders, o garçom Alex Valério, popularmente conhecido como Tenente, 29 anos, também estava preocupado com o jogo até o final do primeiro tempo. Infelizmente para os torcedores, não foi dessa vez. Mas, ainda tem mais jogos pela frente.

Foto: Oslaine Silva - Ex- velocista e jogador do Prudente Coronéis, hoje Thunders, foi asssistir o jogo com seu pequeno Artur

Foco adiante

O presidente da equipe, André Eloy Alves da Silva, 40 anos, responsável pelo special teams (time de especialistas), que nesta Copa Mogiana de Futebol Americano joga em três posições: defensive end, na linha defensiva; tight end, no ataque; e long snaper, lamenta que tenha faltado um pouco mais de paixão no jogo.

“Faltou vontade de ‘todos’ entrarem em campo e mudarem o que não estava dando certo. Tentaremos focar ainda mais os treinos do ataque, pois embora treinamos insistentemente para não haver erros, não funcionou. Hoje [anteontem] mesmo já estamos estudando os erros para corrigi-los para o próximo jogo. Sei o quanto cada um treinou, se esforçou e deixou alguma coisa pra trás para poder estar ali, mas talvez a ansiedade tenha atrapalhado um pouco, porque foram muitos erros até mesmo de fundamentos”, lamenta o presidente do trovão.

Foto: Paulo Miguel - André diz que faltou vontade de ‘todos’ entrarem em campo e mudarem o que não estava dando certo

Comemorando a vitória

Ao final, Robert Brian Oaks disse que a vitória “foi muito difícil. Vimos logo no primeiro tempo que não era nada do pouco que tínhamos estudado sobre eles. Tivemos que nos adaptar e deu certo”, comemorou Rob, como é chamado pelos amigos, que conta que sempre jogou soccer nos Estados Unidos. Futebol americano só brincando e quando começou a pegar aqui no país resolveu entrar de vez.

Camila de Magalhães Bastos, 26 anos, fotógrafa e designer, passou mal durante a viagem. A labirintite atacou e assim que chegou ao estádio, precisou de atendimento médico dos socorristas que estavam ali à postos.

“Sou apaixonada por futebol americano! Meu irmão Caio Henrique também joga e, desde que ele entrou no time, passei a fotografá-los, e através deles, tive muitas oportunidades, como a conquista da minha própria empresa de fotografia e designer”, expôs a jovem, que não perde uma jogada da equipe, registrando cada lance dos jogadores de várias cidades paulistas, além de Monte Alto, que compõem a equipe: Américo Braziliense, Araraquara, Guariba, Jaboticabal, Matão, Ribeirão Preto e Taquaritinga.

“Queremos ressaltar que jogamos com nossos amigos que por estarem machucados, não puderam participar desse jogo. Seus números estão em cada um dos nossos capacetes: 81, 45, 47 e 76”, completou Caio Henrique Magalhães.

Irmãos, Caio Henrique e Camila Magalhães, ainda mais unidos pelo futebol americano

Foto: Paulo Miguel

 

Foto: Paulo Miguel

Rob, ao centro, passa as coordenadas para a equipe em um dos tempos

 

Foto: Oslaine SIlva

Entre os poucos, mas fiéis torcedores, estava Gabriel Breno e a namorada, Kelly Cristina