Segurança pública

Furtos e estelionatos são maiores no centro de PP

Delegada da Seccional pontua que crimes decorrem pela concentração comercial; bairros universitários têm perturbação de sossego

ROBERTO KAWASAKI - Da Redação • 14/09/2018 08:53:00

Para Ieda, da Seccional, unidades de pronto. Foto: Arquivo

Segurança pública é o assunto que preocupa moradores de Presidente Prudente, como mencionado nesta edição. De acordo com a Polícia Civil, a área central é onde são registrados o maior número de crimes patrimoniais, como furtos e estelionatos, enquanto, nos bairros universitários, há registros de crimes patrimoniais e de perturbação de sossego. Já o uso e tráfico de drogas “não escolhem áreas específicas”. Segundo a delegada seccional de polícia, Ieda Maria Cavalli de Aguiar Filgueiras, “os dados costumam migrar, conforme o policiamento é direcionado ao combate de determinada modalidade”.

A fim de combater a criminalidade, a delegada pontua que as unidades de pronto-atendimento em Prudente são responsáveis por manter índices criminais baixos ou em visível queda. São elas: DIG/Dise (Delegacia de Investigações Gerais/Delegacia de Investigações Sobre Entorpecentes), DDM (Delegacia de Defesa da Mulher), Idoso, CPJ (Central de Polícia Judiciária), Necrim (Núcleo Especial Criminal) e o plantão permanente da Delegacia Seccional de Polícia Civil que, para a autoridade, garantem a “extrema segurança”.

O major PM  Carlos Olivetti, coordenador operacional do 18º BPM/I, também garante que Prudente é segura. “A taxa total de homicídio no município em 2017 foi de 5,5 a cada 100 mil habitantes. Para se fazer um comparativo, a taxa do Estado de São Paulo foi de 7,5 e, a média nacional, de 30 homicídios a cada 100 mil habitantes, ou seja, quase seis vezes maior”, afirma a autoridade.

Banco de dados

Com base em dados obtidos pela SSP (Secretaria de Segurança Pública do Estado de São Paulo), entre janeiro e julho de 2018, o município registrou decréscimo de 17,76% em roubos, já que, anteriormente, foram 152 casos e, nos últimos meses, 125. Na mesma linha, furto de veículo somou 153 casos neste ano, contra 217 no anterior, o que significa queda de 29,49%. Para a delegada da Seccional, o resultado é positivo e reflete na atuação conjunta entre as polícias Civil e Militar.

Por outro lado, a pasta catalogou aumento de 94,12% em estupros na cidade. Em comparação aos períodos mencionados, nos primeiros sete meses de 2018 foram 33 ocorrências, em comparação com 17 registradas em 2017, todos apurados pela DDM. “O acréscimo se deve não só à nova capitulação dada ao delito, no artigo 213 do Código Penal, com a inclusão da nova figura delitiva do artigo 217-A ‘estupro de vulnerável’, como também pela divulgação das regras estabelecidas pela Lei Maria da Penha”, comenta Ieda.

Insegurança no trânsito

Diante dos baixos índices de criminalidade, o presidente do Conseg (Conselho Comunitário de Segurança) Centro-Sul, Rodrigo Romão, observa que “a maior insegurança dos cidadãos é em relação ao trânsito, devido ao desleixo dos condutores com a própria segurança e com o pedestre, sendo este o mais irresponsável quando diz respeito ao cometimento de infrações”.

Do ponto de vista de Romão, a questão da prevenção primária tem sido trabalhada com frequência no município, como boa iluminação e cuidados com terrenos baldios. No entanto, o abandono das malhas ferroviárias propicia “o acúmulo de marginais”. “Apesar disso, estamos em uma cidade tranquila, onde policiais civis e militares desempenham o excelente trabalho de zelar pela segurança pública”, considera.

Estilo do Site
  • Luz
  • Alto Contraste