Arquivo - Adauto: "História que motorista de Prudente não dá seta virou piada popular"

Foto: Arquivo - Adauto: "História que motorista de Prudente não dá seta virou piada popular"

INFRAÇÕES

Falta do uso da seta gera 27 multas em Prudente

Número de autuações não assusta o secretário da Semob, Adauto Lucio Cardoso; ele considera que existem questões mais relevantes e importantes acerca do trânsito prudentino.

  • 17/11/2019 06:27
  • MARCO VINICIUS ROPELLI - Especial para O Imparcial

Até a última contabilização, 27 multas por ausência do uso da seta foram aplicadas em Presidente Prudente desde janeiro de 2019, informou a Secom (Secretaria Municipal de Comunicação). Em duas delas, os motoristas deixaram de indicar quando o carro sairia da vaga; em 19, os condutores deixaram de dar seta na mudança de direção na conversão; e em seis ocasiões, não deram seta ao mudar de faixa. Estas infrações são consideradas graves: o motorista é punido com cinco pontos na carteira de habilitação e multa de R$ 195,23.

Durante todo o ano de 2018, 40 multas do tipo foram aplicadas, número que dificilmente será alcançado em pouco mais de dois meses que antecedem o fim do ano. O secretário de Mobilidade Urbana e Cooperação em Segurança Pública, Adauto Lucio Cardoso, afirma não enxergar com preocupação os números, tendo em vista que não é algo espantoso quando comparado às pequenas infrações que acometem o trânsito diariamente.

Adauto acredita que a história que o motorista de Prudente não dá seta tomou proporções por ter se tornado uma piada popular. “Evidentemente que esse tipo de conduta deve ser evitado, já que o risco maior são os acidentes que podem ser causados pela ausência da seta. O condutor precisa informar o pedestre e os veículos para evitar acidentes”, declara o titular da Semob.

O titular da pasta destaca, ainda, que a questão da seta é inserida em todas as atividades educativas promovidas pela secretaria. “A educação no trânsito visa coibir acidentes e ajuda na formação do motorista cidadão, então, trabalhamos isso desde a base nas escolas e a discussão do uso da seta faz parte”, salienta.

As prioridades da pasta, entretanto, são outras. O secretário afirma haver um trabalho mais taxativo em relação à ingestão de bebidas alcoólicas associada à direção e desrespeito às sinalizações de trânsito, como à faixa de pedestres. “Situações que trazem sério risco às vidas”.