Prevenção

Falta de sensibilidade pode ser sinal de hanseníase

Diagnóstico precoce é essencial para prevenir que a doença progrida lenta e progressivamente afetando os nervos da pele

A hanseníase é uma das doenças mais antigas e infecciosas causada pela bactéria Mycobatecrium. A doença tem cura, mas se não tratada com antecedência pode deixar sequelas duradouras. De acordo com o infectologista José Wilson Zangirolami, o índice da doença no Brasil é alto, atingindo uma grande parte de população.

O médico fala que a transmissão da hanseníase se dá por meio da convivência muito próxima e prolongada das pessoas que estejam em contato com gotículas de saliva ou secreções do nariz, geralmente são familiares que estão mais em contato com o doente. Dependendo da imunidade da pessoa, a bactéria pode ou não ser contagiante e cada sintoma pode ser diferente de pessoa para outra.

Os sintomas mais conhecidos são as manchas na pele e perda de sensibilidade, pois a doença atinge os nervos que estão embaixo da pele. “Em alguns casos, esse acontecimento pode ocasionar sequelas graves”, diz o especialista. O diagnóstico precoce ajuda muito e faz com que a doença não progride lenta e progressivamente, afetando cada vez mais os nervos e a pele.

Conforme o médico, existe um tratamento eficaz que consegue curar 100% de todos os casos, entretanto, é um tratamento longo, que necessita de vários medicamentos combinados. “Dependendo do nível da doença pode levar meses até ser concluído o processo de cura”, explica. O tratamento também é oferecido de forma gratuita pelo SUS (Sistema Único de Saúde), sendo que após a primeira dose não há mais risco de transmissão durante o tratamento, e o paciente pode viver tranquilamente na sociedade.

 “Prestar atenção e ter um diagnóstico precoce é fundamental para quem contrai a doença. Quando a pessoa não sente calor ou frio já é um sinal”, pontua o infectologista. Ainda de acordo com ele, as manchas devem ser identificadas por um médico por meio de testes simples praticamente sem custo. Alguns exames podem confirmar o diagnóstico, como uma biopsia da pele para a procura da bactéria. As complicações mencionadas pelo infectologista são as sequelas neuromotoras, atrofia, perda de sensibilidade e ferimentos profundos que ocorrem nos pés por falta de sensibilidade.

A prevenção se dá naturalmente, mantendo hábitos saudáveis, alimentação adequada, evitar álcool e realizar atividades físicas diária. Desta forma, a cadeia de transmissão pode ser interrompida.