José Reis - Publicação do decreto abriu diálogo entre os poderes Legislativo e Executivo ontem

Foto: José Reis - Publicação do decreto abriu diálogo entre os poderes Legislativo e Executivo ontem

NA CRESCENTE

Executivo prudentino decreta emergência por conta de dengue

São 1.085 registros, sendo 1.067 autóctones, contraídos na cidade, e 18 importados, vindos de outras localidades, além de duas mortes confirmadas

  • 24/05/2019 02:00
  • THIAGO MORELLO - Da Redação

Presidente Prudente registra hoje 1.085 casos de dengue e duas mortes por conta da doença, conforme a última atualização da VEM (Vigilância Municipal Epidemiológica). Por conta disso, além do estado de alerta, a Prefeitura decretou ontem situação de emergência na cidade, conforme decreto publicado no Diário Oficial do Município, hoje. Com a publicação, abriu-se também diálogo entre os poderes Legislativo e Executivo - além das demais repartições municipais, como secretarias -, que se reuniram ainda ontem em um encontro emergencial, a fim de discutir a situação da doença e abrir diálogo para possíveis medidas a serem adotadas posteriormente.

Logo de início, o prefeito Nelson Roberto Bugalho (PTB) falou sobre a necessidade de urgência, no que tange a colaboração de todos. E antes mesmo das medidas serem apresentadas, ele “puxou a orelha” da população, ao destacar que ainda há muito desrespeito, principalmente quando o assunto é descarte irregular de lixo. “Precisamos compartilhar e cobrar responsabilidades. Porque muito se vê reclamações de locais na cidade que estão cheios de lixo, mas não é a Prefeitura que joga lixo lá. É inadmissível que um cenário como esse ainda exista”, pontua.

Dito isso, a reunião foi aberta ao objetivo inicial: propor ações. Os vereadores presentes participaram, de modo geral, apresentando alternativas tais como instalação de ecopontos; intensificar mutirões de limpeza e visitas domiciliares nos finais de semana; medidas educacionais, com palestras em escolas; e aumento no número de profissionais na rede municipal de saúde. Isso porque, conforme levantado pelo presidente da casa de leis, o vereador Demerson Dias, Demerson da Saúde (PSB), é preciso se preocupar com quem “está sentindo dor agora”.

Em resposta, o titular da Sesau (Secretaria Municipal de Saúde), Valmir da Silva Pinto, responde que, de imediato, a ideia é colocar mais um enfermeiro, auxiliar de enfermagem e supervisor, em cada uma das UPAs (Unidade de Pronto-Atendimento), “que se encontram lotadas” com atendimento. “Esses profissionais estarão disponíveis 24h, mas, por ser esquema de trabalho 12h por, 36h, naturalmente mais de um será contratado”, pontua.

Contudo, Demerson e demais vereadores presentes rebateram que o número é baixo, e haveria no mínimo a necessidade de “mais três profissionais de cada área”. O que ficou de ser discutido, conforme o secretário, assim como a modalidade de contratação desses profissionais, juntamente ao Ciop (Consórcio Intermunicipal do Oeste Paulista). Fora isso, Valmir lembra que existem cerca de 200 agentes comunitários da saúde que trabalham nas ruas ativamente, com as visitas e mutirões.

Todas as medidas propostas serão debatidas, como destacado a cada minuto da reunião pelo chefe do Executivo. E é válido lembrar que o Decreto 29.882/2019 tem validade de 180 dias, a contar da data publicação. E, no documento, fica também autorizado à Sesau requisitar pessoal dos demais órgãos públicos, e de modo geral, a contratação temporária de recursos humanos, compra de materiais direcionados à saúde e pagamento de horas extras a servidores - se necessário.

Serviço

Durante o encontro realizado entre os poderes, a Prefeitura anunciou também um novo serviço de informação. É Disque Dengue, que deve ser utilizado para retirar dúvidas com a municipalidade, sobre a patologia. O telefone é o 99137-9971.

 

SOBRECARGA

Secretaria orienta para que primeiros

atendimentos sejam feitos nos postos

No ponto alto do encontro realizado ontem entre os poderes Legislativo e Executivo, a fim de discutir a situação da cidade em relação à dengue, o secretário da Saúde, Valmir da Silva Pinto, também fez um apelo à população, quanto à busca médica no primeiro atendimento relativo à doença. Segundo ele, as UPAs e PAs (Pronto Atendimento) estão lotadas e isso gera morosidade no atendimento e dificuldades gerais. “Muitos chegam lá sem um quadro clínico muito grave, muitas vezes precisam apenas de uma hidratação ou nem diagnosticados com a doença foram”, aponta.

Por isso, o essencial é que na primeira identificação da possibilidade de ter contraído dengue, procurar ajuda local nas UBSs (Unidade Básica de Saúde) e ESFs (Estratégia de Saúde da Família), quando possível, isto é, das 7h às 17h, como também citado por Valmir. “Se necessário e dependendo do diagnóstico, a equipe médica vai orientar e proceder com a transferência”, conclui.

Não obstante, Elaine Bertacco, à frente da VEM (Vigilância Municipal Epidemiólogica), reiterou a fala inicial sobre prevenção, ao pedir que a população se atente dentro de casa e no entorno, “pois ela é o principal agente que pode combater o mosquito Aedes aegypti. O dever não compete apenas ao poder público”.

Casos

Como informado, agora, são 1.085 registros da doença, sendo 1.067 autóctones, aqueles contraídos na cidade, e 18 importados, vindos de outras localidades. Além disso, 4.440 notificações. Ademais, o município registra duas mortes, de duas mulheres – uma confirmada e outra suspeita -, ambas moradoras do Parque Alvorada, zona leste de Prudente.