CALENDÁRIO 2020

Estado fragmenta férias e Apeoesp faz criticas

Medida foi anunciada ontem pelo governador João Doria, que prevê pausas nos estudos nos meses de abril e outubro; recesso de julho terá 15 dias

  • 27/04/2019 06:00
  • THIAGO MORELLO - Da Redação

Com o objetivo de organizar o planejamento das atividades pedagógicas, além de garantir que docentes que atuam nas redes estadual e municipais consigam conciliar os períodos de recesso escolar e férias, o governador do Estado, João Doria (PSDB), anunciou ontem o calendário escolar para 2020. No anúncio, uma novidade chamou a atenção: recessos de uma semana ao final do primeiro bimestre, no mês de abril, e do terceiro bimestre, em outubro. Em análise à novidade, a Apeoesp (Sindicato dos Professores do Ensino Oficial do Estado de São Paulo) se manifestou contrária, e entende que a alteração “atrapalhará no aprendizado do aluno”.

Quem fala isso é o coordenador regional da entidade, em Presidente Prudente, Willian Hugo Correa dos Santos. À reportagem, ele comenta que, se a intenção do governo é melhorar o aprendizado dos alunos, outras medidas são viáveis. “Não ajuda em nada promover pausas. Muito pelo contrário, isso quebraria o ritmo dos estudantes, e do próprio professor, que sabe desenvolver a aplicação do conteúdo a ser ensinado, que é diferente para cada sala”, diz.

Dentre as alternativas, o coordenador cita a diminuição de alunos dentro de cada sala de aula e o investimento em materiais pedagógicos, que, segundo ele, é o que realmente vão auxiliar no aprendizado dos alunos. “Entendemos que o ano letivo com 200 dias será cumprido corretamente. Mas a preocupação não é essa, mas sim os danos ao aprender do aluno”, argumenta.

Como vai funcionar

Conforme explicado pelo governo, a ideia é que, a partir do próximo ano, as escolas do Estado tenham pausas no meio de cada semestre, que poderão ser unificadas aos cronogramas dos 645 municípios paulistas. “A novidade será a introdução de recessos de uma semana ao final do primeiro bimestre, no mês de abril, e do terceiro bimestre, em outubro. Assim, alunos e professores terão pausas ao término de todos os bimestres”, declara o Executivo.

O próximo ano letivo começa no dia 3 de fevereiro, com encerramento previsto para 22 de dezembro. Com a mudança, no mês de julho, o período de férias será mantido mesmo com a redução de 30 para 15 dias.