COTIDIANO

Esperar não é uma opção

  • 16/04/2019 04:32
  • Walter Roque Gonçalves

EPPs (Empresas geralmente de Pequeno Porte) consideradas destaques em gestão e com potencial de inovação, são escolhidas nas mais diversas regiões do país para serem assistidas pelo Sebrae (Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas), se trata do programa para suporte aos ALI (Agentes Locais de Inovação). Tenho atendido pequenas e médias empresas a mais de 10 anos e o Sebrae sempre foi um grande aliado na conquista de resultados para os meus clientes e de muitas outras empresas pelo país.

Uma delas, em Martinópolis (SP), foi escolhida pelo programa, tive o prazer de acompanhar o consultor do Sebrae na implantação do programa que está em andamento. O momento é realmente propício, pois os ventos não sopram a favor do micro e pequeno empresário: inflação mais alta do que o esperado, governo tem desalinhamentos na liderança como Guedes e Bolsonaro pensando diferente quanto o caso do aumento do Diesel pela Petrobrás; reforma da previdência ainda está indefinida; há aumento do desemprego e do endividamento das famílias... estas incertezas levam muitos empresários a simplesmente esperarem e esperarem! Esperar o que?

Esperar não é uma opção para quem precisa pagar contas todo mês. Como diz o palestrante Cesar Galindo “o bolo está menor? Busque uma fatia maior!”. Aumentar a fatia significa extrapolar os benefícios do ponto comercial. Muitos empresários escolhem um ponto comercial, este atrai pessoas naturalmente pelo movimento dos carros e transeuntes que caminham pelas calçadas. Então, se expõe a mercadoria, formata uma vitrine e contrata-se uma equipe para atender. Neste modelo, os resultados nem sempre são o suficiente para manter a empresa de pé em fases como esta.

Atender bem as pessoas que entram no comercio e preparar-se para vender a estas é o mínimo a ser fazer. A questão que em momentos como este a inovação é o principal aliado para conquistar uma fatia maior do bolo econômico da região. Os clientes muitas vezes não estão passando na frente da loja e muito menos entrando no comércio em quantidade suficiente. Então, é preciso ir além.

Neste ponto entender o perfil do consumidor, fazer pesquisas para identificar as dores e necessidades que estes carregam e quais delas podem ser atendidas pelos produtos e serviços ofertados pela empresa, se tornam uma questão de sobrevivência. Neste ponto o programa do Sebrae conhecido como ALI potencializa os resultados e reduzem os riscos para aqueles que tem consciência que precisam lutar ainda mais nesta fase. Afinal, esperar definitivamente não é uma opção... é preciso inovar!

ÚLTIMAS DO AUTOR

Efeito colateral

  • 19/10/2019 04:16

Startups

  • 12/10/2019 04:26

Pirâmide econômica

  • 05/10/2019 04:31
Walter Roque Gonçalves

Walter Roque Gonçalves

Walter Roque Gonçalves é consultor de empresas, professor-executivo e colunista da FGV/ABS (Fundação Getúlio Vargas/América Business School) de Presidente Prudente.

Contato: fb.com/jkconsultoriaempresarial/

PUBLICIDADE