Foto: José Reis, Ato que contou com a participação dos alunos destacou as primeiras tribos que habitaram em PP

Manifestação cultural Em desfile, crianças encenam história de Presidente Prudente

 12/08/2017  - André Esteves

A A A

Mais de 100 alunos da Escola Municipal Deputado Carlos Castilho Cabral fecharam a Rua Maria Lorencete Colnago, no Jardim Regina, em Presidente Prudente, na manhã de ontem, para representar o centenário da cidade por meio de um desfile de samba. A atividade compôs o projeto Agosto Cultural, desenvolvido pelo Programa Cidadescola há três anos, no qual os alunos adquirem conhecimentos e vivências de diferentes manifestações culturais.

Desta vez, como não poderia ser diferente, eles entraram em contato com a história do município e seu processo de desenvolvimento. Para a coordenadora articuladora do programa na unidade, Luciana Maria Moysés Caetano, além de permitir que os estudantes fiquem informados sobre o espaço onde vivem, a ação oportuniza a socialização e integração de todas as turmas, que, unidas, encheram a rua de cor, música, dança e um passeio pelo passado e presente.

Assim como em uma parada carnavalesca, o enredo foi composto por etapas, cada uma apresentando um fragmento do histórico de Prudente ao som de algum samba-enredo. Inicialmente, alunos dos segundos anos, vestidos de índios, retrataram os primeiros habitantes da cidade, que formavam as tribos Coroados, Caiuás e Xavantes.

Em seguida, os quartos anos representaram os coronéis e mineiros que, após a extinção do ouro no Estado de Minas Gerais, vieram procurar recursos no município e aqui começaram a investir. O ato também simbolizou as culturas que favoreceram o desenvolvimento econômico de Prudente, como a produção de menta, algodão, café, milho e cana-de-açúcar.

Atrás deles, as crianças dos terceiros anos encenaram a consolidação do transporte ferroviário e a expansão da pecuária. Por fim, os quintos anos fizeram uma homenagem aos 100 anos de progresso, marcada com o hino de Prudente e o acender de velas de um bolo de aniversário simbólico.

 

Escolares

A aluna Áquila de Matos, 7 anos, conta que a parte mais divertida da vivência foi dançar o samba-enredo. Sua colega Emily Cardoso, 8 anos, destaca que a tarefa ensinou-lhe quais foram as tribos pioneiras no solo prudentino. Simbolizando o algodão, Enzo Francisco Condati Ferreira, 9 anos, aponta que a produção do material não só alavancou a economia do município na época, como também é de suma importância para a produção de vestuários.

A pequena Beatriz Bezerra dos Santos, 10 anos, por sua vez, representou o açúcar, que, segundo ela, é fundamental para adoçar a vida das pessoas. “Além disso, aprendi que é muito importante cuidar das nossas plantações”, relata. Já Beatriz Dias Menegasso, 10 anos, diz que teve a oportunidade de ampliar seus conhecimentos sobre a história da sua cidade e trabalhar em equipe. “A gente se esforçou muito para isso”, comenta.

Comentário