Eleição de conselheiros tutelares também merece atenção do povo

  • 09/10/2019 04:44

No domingo, cidades de todo o país realizaram as eleições dos conselhos tutelares. Em Presidente Prudente, dos 35 que foram candidatos, dez mulheres foram eleitas para assumir os cargos a partir de 10 de janeiro do próximo ano, cumprindo mandato até 2024. Na ocasião, 6.869 cidadãos votaram para escolher os representantes das crianças e adolescentes, quase 2 mil votos a mais do que na eleição anterior.

Para o CMDCA (Conselho Municipal de Proteção aos Direitos da Criança e Adolescente), embora o número ainda seja pequeno em relação à população votante do município, a alta revela que a comunidade está mais participativa e prestando atenção na importância do órgão. Além disso, constata-se o interesse na renovação do quadro, uma vez que apenas quatro se reelegeram. As seis restantes irão exercer a função pela primeira vez.

É importante salientar neste espaço o envolvimento crescente da população. Assim como a participação dos cidadãos é importante para definir aqueles que administrarão os interesses públicos nas esferas municipal, estadual e federal, o exercício do voto também é fundamental para a escolha dos agentes que se tornarão responsáveis pela preservação dos direitos das crianças e dos adolescentes. Escolha esta que também deve ser pautada pela responsabilidade, uma vez que o conselheiro terá a árdua missão de verificar se os direitos do público em questão estão sendo postos em prática pela família, pelo poder público e pela sociedade em geral.

Não deve se sentir culpado quem não votou nesta oportunidade, mas motivado a participar nas próximas, considerando que a escolha dos conselheiros tutelares é um exercício da cidadania e deve ser desempenhado para a formação de um corpo de profissionais que tenha o aval do povo – também beneficiado pelo trabalho do Conselho Tutelar. Afinal, a proteção dos direitos das crianças e dos adolescentes garante que eles estejam tendo acesso à educação, saúde, segurança pública, lazer e bem-estar e fiquem distantes dos mais variados tipos de violação que possam afetar o seu desenvolvimento enquanto seres humanos.

Aos novos conselheiros tutelares, ficam os votos para que façam um bom trabalho nesse sentido, estejam sempre comprometidos com a causa à qual se propuseram e zelem pela população que é o futuro do país.