Cotidiano

Drogômetros poderão fazer parte do trânsito nas cidades

Estudo piloto no Brasil, desenvolvido em Porto Alegre, testou recentemente equipamentos, apelidados de drogômetros, que identificam a presença ou não de substâncias entorpecentes em motoristas. A tecnologia está em análise no Brasil para eventual utilização futura na fiscalização de trânsito e, se aprovada, poderá ser estendida a outras cidades brasileiras. O objetivo é desenvolver uma forma de indicar rapidamente e com eficiência se o indivíduo está ou não sob efeito do uso de drogas em casos de violência no trânsito ou blitz para prevenir excessos. Se houver a conclusão de que os drogômetros

  • 12/01/2019 05:45
  • Contexto Paulista

Drogômetros poderão fazer

parte do trânsito nas cidades

Estudo piloto no Brasil, desenvolvido em Porto Alegre, testou recentemente equipamentos, apelidados de drogômetros, que identificam a presença ou não de substâncias entorpecentes em motoristas. A tecnologia está em análise no Brasil para eventual utilização futura na fiscalização de trânsito e, se aprovada, poderá ser estendida a outras cidades brasileiras. O objetivo é desenvolver uma forma de indicar rapidamente e com eficiência se o indivíduo está ou não sob efeito do uso de drogas em casos de violência no trânsito ou blitz para prevenir excessos. Se houver a conclusão de que os drogômetros podem ser utilizados, caberá ao Denatran (Departamento Nacional de Trânsito) homologar o seu uso no país. Após esta etapa, os órgãos de trânsito estariam aptos a adquirir e implantar os equipamentos em seus Estados.

 

A exemplo do bafômetro

A ideia é que os aparelhos forneçam subsídios para tomadas de decisão pelos agentes de trânsito, a exemplo dos casos de embriaguez ao volante detectados pelos bafômetros. Os investigadores gaúchos fizeram as abordagens em conjunto com agentes das operações Balada Segura e os resultados encontrados acenderam um alerta para as autoridades. A experiência foi desenvolvida pelo Nepta (Núcleo de Estudos e Pesquisas em Trânsito e Álcool), ligado ao Centro de Pesquisa em Álcool e Drogas do Hospital de Clínicas de Porto Alegre. Os aparelhos respondem apenas “sim” ou “não”, a partir de determinada concentração da droga presente no organismo. Para a análise precisa de quantidade presente no indivíduo, são necessárias técnicas disponíveis atualmente apenas no exterior.

 

Os números surpreeendem

De acordo com o relatório do estudo inicial, foram parados 178 motoristas, dos quais 164 aceitaram participar do teste. Desse total, 14 (8,5%) tiveram amostras positivas na triagem para cocaína, nove (5,5%) para maconha, nove (5,5%) para benzodiazepínicos (usado no manejo da ansiedade e da insônia), e cinco (3%) para anfetaminas. Parte das amostras foi encaminhada ao exterior para confirmação dos testes laboratoriais, e todas elas deram resultado positivo, corroborando os dados obtidos nessa experiência no Brasil. Os efeitos da droga no organismo e na capacidade de dirigir não são ainda totalmente conhecidos, diferentemente do que ocorre com o álcool, que possui uma curva de efeito no trânsito já traçada.

 

Inovação no Vale

No mundo altamente competitivo, inovação é palavra de ordem para as empresas que desejam se manter ativas no mercado. Um exemplo dessa tendência no Estado de São Paulo, segundo a Desenvolve SP (Agência de Desenvolvimento Paulista), é o Vale do Paraíba. O órgão tem ajudado a tirar do papel centenas de projetos disruptivos. Nos últimos quatro anos, um total de R$ 7,7 milhões foi injetado nas pequenas e médias empresas do Vale, movimentando a economia local por meio da criação ou modernização de produtos, processos e serviços. A maior parte das empresas financiadas (90%) está sediada em São José dos Campos. A cidade é conhecida por abrigar o conglomerado aeroespacial brasileiro, com gigantes como a Embraer e Boeing e o ITA (Instituto Tecnológico de Aeronáutica).

 

Parques tecnológicos

“São José se tornou um celeiro de oportunidades para empresas inovadoras que desejam fazer parte das cadeias aeronáuticas, espacial e de defesa”, diz Rafael Bergamaschi, gerente de negócios da Desenvolve SP. O setor representa um faturamento anual médio de US$ 7 bilhões e emprega 19 mil profissionais. Além disso, por abrigar um dos parques tecnológicos mais modernos do país, a cidade oferece infraestrutura única para startups e pequenas empresas de base tecnológica.

 

Breves

  • O IEA (Instituto de Economia Agrícola) desenvolveu aplicativo que auxilia o agricultor a recolher corretamente os impostos, comprar e vender um imóvel e resolver questões ligadas à Justiça.
  • O Porto de Santos fechou 2018 com recorde na movimentação de cargas.
  • A venda de carros importados cresceu 26,3% em 2018, e a produção de máquinas agrícolas e rodoviárias aumentou 23,8% em comparação com o ano anterior.

 

Dia do Leitor

A leitura traz conhecimento e leva a lugares distantes. É um ótimo exercício para a mente. Em homenagem aos leitores que se permitem levar pelas palavras, foi criado o Dia do Leitor, celebrado anualmente no dia 7 de janeiro. No Estado de São Paulo, dois projetos de lei apoiam o acesso à literatura. Um deles, aprovado recentemente pelos deputados, cria o programa Literatura de Cordel nas Escolas. Outro projeto aprovado cria o programa “Cesta Básica do Livro”, destinando acervos a alunos da rede pública de ensino.

 

Troca de livros

Na capital, existem vários projetos literários abertos a quem gosta de uma boa leitura, como na Biblioteca Mário de Andrade, onde é realizada uma feira de troca de livros no último sábado de cada mês. Além disso, acontecem os “Cafés Literários”, encontros para debater sobre obras literárias e seus autores. O próximo evento será no dia 27, às 14h, sobre o livro “A Ciranda das Mulheres Sábias”, de Clarissa Pinkola Estés.