Doria anuncia estado de calamidade pública em SP

Medida permite que governo possa elevar gastos acima dos limites legais para o enfrentamento da pandemia provocada pelo coronavírus

REGIÃO - DA REDAÇÃO

Data 20/03/2020
Horário 14:56

O governador João Doria (PSDB) anunciou hoje estado de calamidade pública em todas as regiões do Estado de São Paulo em decorrência da pandemia provocada pelo coronavírus. A medida assegura que o governo do Estado possa elevar gastos acima dos limites legais para o enfrentamento da emergência global em saúde pública causada pela pandemia.

“Não hesitaremos em tomar todas as medidas necessárias para proteger vidas, é nosso dever e obrigação. Salvar vidas é nossa prioridade absoluta”, afirmou Doria em entrevista no Palácio dos Bandeirantes. A medida estadual reforça decisão do governo federal desta semana e já aprovada pela Câmara dos Deputados e pelo Senado.

A Covid-19 já infectou 209 mil pessoas em todo o mundo, causando 8.778 mortes até agora. Em São Paulo, são cinco mortes e 286 casos confirmados até o início da tarde desta sexta – o Estado já registra contaminação comunitária do coronavírus.

Na prática, o decreto assinado por Doria simplifica compras e contratações de serviços essenciais no combate ao coronavírus. Para dar ainda mais agilidade às ações do Estado, foi criado nesta semana o Comitê Administrativo Extraordinário, coordenado pelo vice-governador Rodrigo Garcia (DEM) – ele também é secretário de governo.

Uma das possibilidades permitidas pelo estado de calamidade pública é colocar em funcionamento hospitais que já estão prontos, mas ainda não estão abertos por falta de equipamentos e recursos humanos. A compra de aparelhos seria imediata, com licitações emergenciais e contratação de profissionais sem concurso.

Coordenador do Centro de Contingência do Coronavírus, o médico infectologista David Uip listou os hospitais em Caraguatatuba (litoral), Bauru (interior) e São Bernardo do Campo (Grande SP), que se enquadram no cenário permitido pela calamidade pública e poderão ser ativados caso seja necessário.

Outra medida em estudo prevê que, diante do fechamento temporário de toda a rede estadual de ensino, o governo de São Paulo use recursos extras para investir em um sistema de ensino à distância que atenda todos os alunos.

“O objetivo não é gerar pânico e sim facilidades para o governo de São Paulo e seus 645 municípios. É para permitir uma atuação mais precisa e rápida pelas características que o estado de calamidade pública permite ao poder público. O decreto simplifica o processo de compras e contratações de serviços essenciais, tira a burocracia e protege os gestores públicos”, concluiu Doria.

Veja também