Dois investigados são liberados após depoimentos

Outros dois foram encaminhados para as delegacias de Pirapozinho e Presidente Venceslau, onde seguem temporariamente

ROBERTO KAWASAKI - Da Redação • 12/04/2018 20:58:08

Dois envolvidos na segunda fase da Operação Tríade, que investiga o desvio de aproximadamente R$ 200 mil da Câmara de Sandovalina, foram soltos pela Polícia Civil, após colaborarem com informações sobre o caso. Os outros dois investigados seguiram para as delegacias de Pirapozinho e Presidente Venceslau, onde aguardam a análise dos autos do processo pelos advogados.

De acordo com o delegado Claudinei Alves, duas pessoas ouvidas na noite de ontem foram liberadas. São elas o atual contador da Prefeitura, Valdir Luiz Laurentino, e o ex-servidor Carlos Eduardo de Barros, que exercia a função de tesoureiro até meados de 2015, exonerado após desvios de mais de R$ 100 mil no Executivo. Conforme Claudinei, eles esclareceram informações a respeito da investigação, como apurado no inquérito.

Os outros dois investigados foram remanejados para outras delegacias da região, sendo que a tesoureira Paula Roberta Cortez Simões foi levada para Pirapozinho, e o ex-presidente da Câmara, Alan Ferreira dos Santos, encaminhado à seccional de Presidente Venceslau. Segundo o delegado, os advogados destes pediram para ter acesso aos autos do processo para análise. Devido a isso, foi solicitada a documentação para a liberação das oitivas, ocasião onde serão ouvidas as testemunhas.

A reportagem entrou em contato com Guilherme Felício, advogado de Paula Roberta Cortez Simões, para saber do prazo para análise dos autos. De acordo com ele, o auto possui mais de mil páginas, e a leitura ainda está sendo feita. O advogado Rogério Leandro Ferreira, responsável por advogar Alan Ferreira dos Santos, disse à reportagem que o investigado segue em prisão temporária até domingo. No entanto, diz que ainda não teve acesso ao auto, afirma ter entrado com o pedido de revogação da prisão temporária e aguarda aprovação.

 

Operação Tríade

Como noticiado por este diário, na manhã de ontem, quatro agentes do Poder Legislativo de Sandovalina foram presos acusados de desviar bens públicos. As prisões ocorreram durante a segunda fase da Operação Tríade, deflagrada pela Polícia Civil, MPE (Ministério Público Estadual) e TCE (Tribunal de Contas do Estado). Os envolvidos são acusados de desviar cerca de R$ 200 mil da Câmara Municipal.

 

Estilo do Site
  • Luz
  • Alto Contraste