Fotos – Isadora Crivelli - Shell treina nas ruas de Prudente, mesmo local onde trabalha como coletor de lixo

Foto: Fotos – Isadora Crivelli - Shell treina nas ruas de Prudente, mesmo local onde trabalha como coletor de lixo

ORGULHO DEFINE

Corredor se despedirá do esporte

Dificuldades de patrocínio farão Shell parar, mas não de forma menos épica, para selar o final de sua carreira, o coletor de lixo se desafiará a correr 100 Km na região

  • 23/02/2020 04:20
  • MARCO VINICIUS ROPELLI - Especial para O Imparcial

Orgulho define! Shell é o apelido do coletor de lixo que é corredor, Laércio Ferreira, 45 anos. A alcunha nasceu, quando, ainda criança, foi ao posto de combustíveis a pedido da mãe comprar óleo automotivo (a marca Shell é uma das mais tradicionais do mercado), - e enquanto voltava, movido por curiosidade, deu um gole na substância. Um risco imenso, é claro, ele afirma que na ocasião, “quase morreu”, mas seus motores, não há dúvidas, até hoje estão lubrificados, tanto que, para despedir-se da carreira de atleta pretende realizar a uma façanha: correr 100 Km (quilômetros).

Ele, que se orgulha de possuir medalhas de ouro, prata e bronze de Jogos Regionais que participou, sente que o próximo passo da trajetória é o encerramento; já sonhou com Olimpíadas até, mas hoje não crê que seja um sonho possível. Para fechar seu ciclo como corredor e maratonista, ele irá em 19 de março, propor um desafio a outros corredores da região, acompanhá-lo por 100 Km de um trajeto que tem início em Presidente Prudente, cidade onde vive, e que termine em Flora Rica, cidade onde nasceu. Ao menos três atletas já confirmaram.

É uma data importante para Shell, em 19 de março é comemorado o aniversário de Flora Rica, motivo pelo qual ele espera uma recepção em ritmo festivo na cidade que tanto gosta. Os detalhes ainda não foram planejados, mas o corredor afirma que nos próximos dias estará reunido com representantes do esporte flora-riquense e com o chefe da Semepp (Secretaria Municipal de Esportes), Claudinei Quirino, a quem considera um padrinho nos esportes.

 

SOBRE A CARREIRA

DE LAÉRCIO “SHELL”

Shell foi reconhecido em todo o Brasil por sua ousadia como atleta. Ele decidiu certa vez, há cerca de 15 anos, que iria correr a tradicional Corrida de São Silvestre, mas não de forma convencional, para isso, foi para a capital paulista a pé, em uma viajem de 12 dias, que foi amplamente televisionada. Esse é um dos feitos improváveis de sua carreira. “Você tem que fazer diferente, se fizer tudo igual, você não se destaca”, afirma.

Ele começou a correr motivado por um drama familiar, enquanto seu pai, doente, sofria; ele, cujo coração sofria junto, decidiu correr para aliviar a alma, só durante as corridas encontrava a paz para prosseguir. Foi aí, quando era um rapaz de 18 anos, que um bancário de Flora Rica, José Carlos, começou incentivá-lo, presenteando-o com tênis para correr e dando-lhe muito apoio.

Laércio teve grandes apoiadores na vida, quando já estava em Prudente, trabalhando como coletor de lixo, o vitorioso corredor, hoje secretário Quirino o ajudou, tanto na parte de incentivo e exemplo de sucesso, quanto na doação de agasalhos e tênis para Shell seguir seu caminho.

“Hoje em dia o patrocínio para esportistas é muito difícil, certa vez bati de porta em porta pedindo ajuda e um homem negou, me mandou ir trabalhar. No mesmo dia voltei àquela rua, mas trabalhando como coletor, quando ele me viu, se desculpou”, lembra. Ele, que treina nas ruas da cidade, vê os “piques” atrás do caminhão do lixo como a segunda fase de seus treinos diários. É agradecido pelo trabalho que tem, pois além de digno, o proporcionou financiar atividades esportivas e a viver.

 

“VOCÊ TEM QUE FAZER DIFERENTE, SE FIZER TUDO IGUAL, VOCÊ NÃO SE DESTACA”

LAÉRCIO FERREIRA “SHELL”

 

 

Fotos – Isadora Crivelli -  Shell se reunirá com representantes do esporte flora-riquense e com o chefe da Semepp para definir detalhes