Presentes

Consumidoras pesquisam em busca de preços mais em conta

06/11/2018 06:55:00

Desempregada, Tainá espera encontrar preços mais em conta. Foto: José Reis

Falta pouco mais de um mês para o Natal, mas algumas pessoas ainda não começaram as compras da data. Este é o caso da prudentina Madalena César, 72 anos. Entrando em algumas lojas e caminhando pelo calçadão da Rua Tenente Nicolau Maffei, ao lado da filha, ela conta que ainda não sabe o que comprar, porém, já começou a pesquisa de preços.

De acordo com Madalena, como “está tudo caro” não dá para deixar para a última hora. “Tenho a tradição de comprar presente para os netos, mas neste ano vai ser difícil, as coisas estão muito ‘salgadas’”, considera. Na hora de escolher o que levar, ela sempre se atenta ao custo-benefício. “Nem sempre o mais barato compensa”, pontua.

Lúcia de Carvalho, 46 anos, concorda. Para ela, é um “absurdo” os valores de alguns itens. Em razão disso, ainda não se planejou quanto ao que comprar, e só irá pensar nisso no fim do mês. “Se for comprar em qualquer lugar não compensa, então, vou pesquisar com calma”, relata.

Tainá Cavalcante Silva, 21 anos, também tirou um pouco do tempo para visitar lojas no calçadão. De acordo com ela, agora está desempregada, por isso espera que os preços estejam mais em conta. “Nos últimos anos tenho achado as coisas muito caras nessa época, desta vez, se não abaixar não vai ter como”, conta.

Estilo do Site
  • Luz
  • Alto Contraste