Jean Ramalho: Aula ao vivo reuniu público interessado em aprender a decorar

Foto: Jean Ramalho: Aula ao vivo reuniu público interessado em aprender a decorar

Confpan encerra ações com êxito

Maior evento na área da confeitaria e panificação da América é sediado na Unoeste, em Presidente Prudente, desde quarta-feira, e reuniu grandes nomes da do Brasil

  • 08/11/2019 06:20
  • GABRIEL BUOSI - Da Reportagem Local

Depois de dois dias de muito aprendizado, o maior evento na área da confeitaria e panificação da América Latina encerra hoje as atividades, em Presidente Prudente. O Confpan (Congresso Internacional de Confeitaria e Panificação) foi sediado na Unoeste (Universidade do Oeste Paulista) e a iniciativa tinha como objetivo reunir os maiores nomes do Brasil em diversas atividades distribuídas entre as práticas, palestras e networking.

“É uma ação muito grande. São, ao todo, 27 atividades, além de apresentações de trabalhos acadêmicos. O primeiro grande feito desse evento foi a parceria com a Universidade de Lisboa, em Portugal”, afirma o coordenador do curso de Gastronomia da Unoeste, e organizador do evento, Yuri Moita. Sobre os dois primeiros dias do Confpan, ele comemora o sucesso obtido e ressalta que as oportunidades criadas e conhecimentos adquiridos superaram as expectativas.

Ontem, a reportagem esteve presente em diversas atividades, e uma delas chamava a atenção pela delicadeza com que os participantes a praticavam. Tratava-se da pintura espatulada em bolos. A responsável por passar a técnica que vem da Coréia, Isis Alvarez, avaliou como satisfatório o resultado obtido. “O bolo espatulado pode ser feito com cremes, como a ganache. Com isso, vamos criando pétalas e desenvolvendo bolos florais”. Para isso, são necessárias algumas habilidades, como a criatividade, clama e paciência.

Já em outra sala, que ensinava técnicas de bolachas decoradas com aerografia, a reportagem encontrou a pós-graduanda, e já graduada em Gastronomia, Arieli Batista, 24 anos. Ela afirmou que o congresso tem sido uma oportunidade de aprendizado, já que possui proporções internacionais. “Precisamos procurar sempre crescer e a gastronomia por si só já faz isso, ela se reinventa a cada dia e precisamos acompanha-la”. Sobre a escolha da atividade, a jovem comenta que já pintou em quadros e viu na oportunidade uma chance, delicada, de realizar uma terapia com os alimentos. “Unir o útil ao agradável”.