José Reis - Acreditar no potencial do setor mantem o comércio da família Fernani desde 1924

Foto: José Reis - Acreditar no potencial do setor mantem o comércio da família Fernani desde 1924

CELEBRAÇÃO

Comerciantes relatam décadas de trabalho em PP

Mercado vive em constantes mudanças e adaptações ao longo dos anos, o que faz necessário conhecer o setor e, principalmente, seu cliente

  • 16/07/2019 05:29
  • WEVERSON NASCIMENTO - Da Redação

Hoje é comemorado o Dia do Comerciante e trazemos, nesta edição, o segredo da longevidade. Mas a verdade é que não existem fórmulas. O mercado vive em constantes mudanças e adaptações ao longo dos anos, a o que faz necessário conhecer o setor e, principalmente, seu cliente.

A força para se manter no comércio também é passada por gerações, como é o caso da Bidu Moda e Tecido, que atua no município desde 1924. Há exatos 95 anos o serviço iniciava em Prudente com a chegada de Farjalla Fernani, que veio do Líbano e começou a trabalhar com alfaiataria. Mas foi somente com o crescimento no setor têxtil que o comerciante foi agregando tecidos ao estabelecimento e, assim, o pequeno negócio na Rua Barão do Rio Branco ultrapassou décadas até chegar ao filho Elias Fernani, que administrou até 1986 e, depois disso, os netos assumiram o negócio da família.

Hoje, o atual proprietário, Edson Fernani, destaca que o estabelecimento se mantem vivo e ativo justamente pela persistência e principalmente por acreditar no potencial do setor. “Primeiramente tem que gostar do que faz. Quando eu entrei eu gostava de comercializar, comprar, vender e isso foi me cativando para continuar o trabalho da família. Eu fiz administração de empresas e, aliando teoria e prática, vi o real funcionamento para continuar até hoje. Eu acredito muito no nosso negócio”. Modernizar hoje é uma condição de sobrevivência para o setor, afinal é possível encontrar roupas prontas em qualquer lugar da cidade. Então, além de oferecer tecidos, a loja disponibiliza um estilista e contatos profissionais de pessoas que ainda costuram manualmente.

Fidelização

Flores sempre foram sinais de cavalheirismo, mas, com o passar do tempo, o setor, que era frequentado em sua maioria por homens, ganhou novos rostos e clientes. Somando estes e outros fatores, a Floricultura Primavera, que está há mais de 40 anos em atividade no município, mantem seu segredo de longevidade baseado em atendimento, respeito ao cliente e a qualidade do produto, conforme diz o sócio proprietário Hugo Molina Nehring, de 28 anos. “Com a crise dos últimos anos muitas empresas fecharam e poucas conseguiram se manter e, quem se manteve, foi porque poupou e aliou tudo isso em qualidade de serviços” pontua.

Quanto o assunto é qualidade de serviços, o proprietário da Padaria Soberana, Roberto de Andrade, de 70 anos, diz que o comércio é uma troca - quem atender melhor é que consegue vender mais, por isso, a importância de trabalhar o preço, atendimento e a qualidade. “O resto é comum a todos os comércios, então somente com esses fatores é possível você atingir a longevidade”.