Foto: Arquivo pessoal / Letícia, sua irmã e o pai, Marco, união na torcida pelo timão, sempre

Foto: Foto: Arquivo pessoal / Letícia, sua irmã e o pai, Marco, união na torcida pelo timão, sempre

MAGIA DO FUTEBOL

Clássico Corinthians e Palmeiras, em PP, é revivido por torcedoras

Ainda em clima de comemoração pelo Dia Internacional da Mulher, rivais dividem amor por momento histórico vivido há dez anos, no Prudentão, com Ronaldo fenômeno

  • 09/03/2019 04:00
  • THIAGO MORELLO - Da Redação

Para algumas mulheres, ontem a comemoração foi em dose dupla. Isso porque, além do Dia Internacional da Mulher, para quem gosta de futebol e mora na região, pôde relembrar o momento histórico vivido há exatos dez anos, quando o craque da seleção brasileira, o fenômeno Ronaldo, derrubou o alambrado do Estádio Municipal Paulo Constantino, Prudentão. Naquela ocasião o centroavante comemorava o primeiro gol feio pelo Corinthians, que também marcou o retorno à elite do futebol brasileiro profissional. Num placar de 1 a 1 contra o Palmeiras, quem viveu a partida, seja no estádio ou assistindo em casa, apesar da rivalidade tradicional dentro de campo, divide o amor pelo marco ocorrido em Presidente Prudente.

E naquele 8 de março, o boletim informativo da época apontava um público de 44.479 torcedores. Do lado da torcida do Timão estava a advogada Letícia Salem. Na época ela tinha 19 anos, mas hoje consegue descrever corretamente o momento, até mesmo da torcida palmeirense que já comemorava a vitória. “Último lance do jogo o Douglas pegou a bola para bater o escanteio e o Ronaldo desviou de cabeça e Gol. O Prudentão foi a baixo, literalmente. Nem o alambrado suportou a explosão da torcida”, detalha Letícia.

Como ela mesma diz, não era qualquer um. Era o Ronaldo ali, o maior de uma geração, retornando aos gramados após varias cirurgias, fazendo o primeiro gol com a camisa do Corinthians, contra um rival e ainda por cima no último minuto.

“Um filme em preto e branco, estrelado por um fenômeno, na nossa cidade. E a gente estava lá. Da pra acreditar?”, exalta a advogada.

Aliás, a descrição do gol, na voz de Zé Silvério, mesmo após dez anos, ainda é o toque do celular de Marco Antônio Salem, pai de Letícia. Juntos no jogo, e acompanhados da família toda, vibraram o momento. “Foi emoção e superação do começo ao fim, como toda a história do Corinthians e do Ronaldo. Só que dessa vez aqui no quintal de casa!”, exclama.

 

Paixão do futebol

E para ser fã do Ronaldo e vibrar com o momento rolou até deixar a rivalidade de lado. Mesmo sendo palmeirense roxa, a jornalista Janaína Oliveira, 23 anos afirma que, mesmo assistindo o jogo em casa, cedeu para o craque.

“Esse dia foi um dos dias mais loucos para mim no futebol. O Palmeiras estava ganhando e quando o gol saiu ficamos muito bravos. Mas, meu, ver o Ronaldo ali, tão perto da gente, foi algo incrível. É a paixão do futebol”, comenta.

Quando ela diz perto da gente, Janaina fala do pai, mãe e o vizinho que estavam lado a lado acompanhando a partida. Segundo ela, o amor pelo esporte vem da família, que sempre vibrou com os jogos. “Somos todos fãs nº 1 do Ronaldo, então foi ótimo. Fiquei chateada, brava mesmo com o resultado, confesso, mas foi um momento único”, brinca.

 

Foto: Arquivo pessoal / Mesmo sendo palmeirense, Janaina se lembra do gol corintiano com emoção

Foto: Arquivo pessoal / Coisa de família! Amor de Letícia pelo time alvinegro vem lá da sua infância