Weverson Nascimento  - Durante a manhã, população lotou os corredores das unidades

Foto: Weverson Nascimento - Durante a manhã, população lotou os corredores das unidades

CONTRA GRIPE

Campanha de vacinação lota unidades de saúde de Prudente

Enquanto houver doses nos estoques, mobilização será aberta à população geral; segundo a VEM, todas 28 salas de vacinas existentes em Prudente contam com a dose

  • 11/06/2019 04:36
  • WEVERSON NASCIMENTO - Da Redação

A última sexta-feira foi o prazo estendido para a imunização dos grupos prioritários atendidos pela Campanha Nacional de Vacinação Contra a Gripe nos postos de saúde de Presidente Prudente, mesmo com o fim da campanha direcionada ao público específico. Conforme estabeleceu a VEM (Vigilância Epidemiológica Municipal), a partir de ontem, enquanto houver doses nos estoques, a campanha será aberta à população geral. Ontem, a reportagem percorreu algumas salas de vacinação da cidade e encontrou corredores lotados de grupos que ainda pertenciam ao público-alvo e também aqueles que não se encaixavam dentro das demandas estabelecidas.

Segundo um balanço prévio da VEM divulgado na manhã de ontem, todas as 28 salas de vacinas existentes em Prudente contavam com doses de vacina. De acordo com a supervisora do órgão, Elaine Bertacco, o relato dessas unidades na quinta e na sexta-feira era de que a procura para imunização seguia dentro do normal, como em toda a campanha. Para tanto, considera que os que precisavam tomar a vacina “não se conscientizaram sobre a importância, principalmente o grupo referente às crianças e gestantes, considerado abaixo da média e mais vulneráveis à doença”, segundo a supervisora.

Assim, ficou acertado realizar o atendimento para população geral de acordo com o estoque existente. “Quando acabar não será mais reposta, isso porque o GVE [Grupo de Vigilância Epidemiológica], não ira manda mais doses” destaca Elaine. Ainda de acordo com a supervisora, a população que não se encaixava em nenhum dos grupos prioritários se conscientizou melhor sobre a prevenção da gripe, diante da quantidade de pessoas que enfrentaram filas para tomar a dose da vacina.

Corredores lotados

No Palácio da Saúde, a cada paciente atendido pelo setor de enfermagem despertava naqueles que estavam na fila a ansiedade pela contemplação do atendimento. Quando esta reportagem chegou ao local, às 9h, a unidade já havia atendido mais de 120 pessoas com apenas uma hora e meia de operação. No local, segundo o setor técnico de enfermagem, restaram do último dia da campanha aproximadamente 200 doses.

Diante da oportunidade para a imunização, a aposentada Solange Bressan, de 41 anos, foi até a unidade nas primeiras horas de atendimento para receber pela primeira vez a vacina contra o vírus Influenza dos tipos A (H1N1), A (H3N2) e B. Segundo ela, a importância de ir até o local e receber a “proteção” é, justamente, para evitar as doenças e principalmente gripes fortes. “Temos que se cuidar, pois a situação já é feia e se é gratuita, temos que tomar”, diz.

Para muitos, a imunização é essencial também para prevenção da doença no grupo familiar, como no caso do profissional de vendas e logística Wiliam Rodrigo Estopa, de 30 anos, que foi até o local receber a dose devido ter uma criança em casa. “Eu tomando a dose colaboro também com a saúde da minha filha, mas o ideal seria que a imunização acompanha-se todas as faixas etárias”. William relatou que deveria ter ido mais cedo ao local diante do risco de acabarem as doses, para tanto, enfrentou as filas na expectativa de ser imunizado.

O porteiro Edson Pereira de Godoi, de 53 anos, considera que receber a vacina é um passo positivo em relação a sua saúde. “Eu cheguei às 7h40 na unidade para tomar a vacina certinha e aproveitar a oportunidade já que ainda não estou nos grupos prioritários” diz.

Cohabão

Já na Unidade Básica de Saúde Doutor Otelo Milani Junior, Cohabão, a situação estava parecida, a população enfrentou o frio da manhã na esperança de ser contemplada com a vacina.

A dona de casa Maria Odete de Santana Araújo, de 52 anos, não via a hora de tomar a dose e, para isso, foi acompanhada também das filhas. De acordo com ela, durante a semana passada ela ligou em várias unidades de saúde para saber se já poderia tomar e, quando soube que ontem seria a oportunidade, acordou cedo e se dirigiu até a unidade. “É uma vacina muito boa e temos que tomar”, relata.

O autônomo Rafael Furtuoso Dias, de 30 anos, também foi até a UBS (Unidade Básica de Saúde) receber a vacina. Segundo ele, além de ser portador de um marca-passo, a importância da imunização é evitar a contaminação diante da mudança de clima e, com isso, risco maiores de infecção. O autônomo chegou até a unidade cedo, justamente para conseguir ser contemplado. “De modo geral, a população esta conscientizada e, mesmo com as filas, eu cheguei à unidade e em meia hora consegui ser atendido”, revela.