Paulo Miguel - Kuramoto alerta: "A potência de letalidade deste tipo de situação é muito grande"

Foto: Paulo Miguel - Kuramoto alerta: "A potência de letalidade deste tipo de situação é muito grande"

ENFRENTAMENTO

Campanha alerta sobre riscos e letalidade da dengue

Prefeitura de Prudente e parceiros se preocupam com o crescimento atípico dos casos da doença no inverno, e com o vírus tipo 2 que chegou a Prudente

  • 07/09/2019 06:05
  • MARCO VINICIUS ROPELLI - Especial para O Imparcial

“Mobilização, educação e punição”. Estes são os três pilares da campanha de combate à dengue que a Prefeitura de Presidente Prudente apresentará ainda neste mês. O tema escolhido é “Prudente contra o mosquito”, reiterando o ideal combate e enfrentamento, que se planeja, contra o transmissor da doença. O município já soma cerca de 6 mil casos de dengue e mais de 11 mil notificações, além de recentemente, duas mortes em decorrência da doença.

“A ideia de união está no próprio tema ‘Prudente contra o mosquito’, ou seja, toda sociedade declarando guerra ao mosquito”, afirmou o prefeito Nelson Roberto Bugalho (PTB), logo após reunião, na manhã de ontem, que agregou representantes do poder público e empresários prudentinos de vários ramos, entre os quais, publicitários da Agência Audi, que preparam materiais de divulgação e identidade visual da campanha.

O diretor administrativo e financeiro da Unimed Prudente, principal parceira da Prefeitura nesta “batalha”, Edison Iwao Kuramoto, afirma que um grande agravante é a situação atípica de continuidade de ocorrência de casos da doença mesmo durante o inverno, quando, naturalmente, os mosquitos morrem. Somado a isso, uma novidade perigosa, um novo vírus chegou à cidade. “A preocupação nasceu no verão passado, pois fomos surpreendidos com um pico de dengue, um aumento significativo dos casos, e com uma diferença muito preocupante, a circulação do vírus tipo 2. As pessoas que contraíram dengue, nos últimos anos, não tiveram contato com o vírus tipo 2”, destaca o médico.

Como evitar?

A Prefeitura pretende tomar medidas drásticas em relação a atitudes displicentes de parcela da sociedade. As residências, terrenos baldios, locais públicos, prédios empresariais, nada vai escapar das multas em casos de manter criadouros do Aedes aegypti, de, no mínimo, 200 UFMs (Unidades Fiscais do Município), cerca e R$ 800, destacou o secretário municipal de Saúde, Valmir da Silva Pinto.

A multa, assim como a epidemia, pode ser evitada com atitudes muito simples. “É uma mobilização de caráter preventivo. Com atitudes simples é que nós combatemos o mosquito da dengue. Não estamos falando de nenhuma ‘parafernália’, são atitudes de limpeza, de cuidado com as casas e lugares públicos. Assim vamos conseguir diminuir a incidência de dengue, evitando a morte e adoecimento de pessoas”, pontua Bugalho.

Campanha

Taxativa e sem meias palavras, a campanha deste ano demonstrará os perigos reais que a falta de cuidados com os objetos que acumulam água podem causar. A partir de outdoor, rádios, jornais, portais e cartazes, a organização pretende atingir todas as camadas da sociedade, que estão, sem distinção, vulneráveis.

“Se morreram duas pessoas, quantas poderão morrer? Isto é extremamente preocupante e caótico para Prudente. A potência de letalidade deste tipo de situação é muito grande. A intenção é trazer as famílias para a realidade, pois este é um risco muito possível, temo uma epidemia que não terminou, e as chances de explodir na volta das chuvas é muito grande, é um risco que deve se concretizar se nada for feito”, pontua Kuramoto.

No final deste mês, dia 26, às 8h, no Centro Cultural Matarazzo, a Prefeitura lançará a campanha que pretende informar e abrir os olhos da população, de setembro a abril do próximo ano, ao risco iminente e as atitudes que devem ser tomadas.