Roberto Kawasaki - Era início do plantão, quando Vilerá atendeu ao chamado

Foto: Roberto Kawasaki - Era início do plantão, quando Vilerá atendeu ao chamado

PRIMEIRA LIGAÇÃO

Bombeiro acompanha parto por atendimento telefônico

Soldado Fabrício Gonçalves Vilerá foi surpreendido por um pai em desespero que, do outro lado da linha, assistia a mulher entrar em trabalho de parto dentro de casa

  • 14/09/2019 11:00
  • ROBERTO KAWASAKI - Da Redação

O plantão havia acabado de começar. Logo na primeira ligação do dia, um chamado de emergência aproximaria duas famílias, até então, desconhecidas. No Cobom (Centro de Operações do Corpo de Bombeiros), o soldado Fabrício Gonçalves Vilerá foi surpreendido por um pai em desespero que, do outro lado da linha, assistia a mulher entrar em trabalho de parto dentro de casa. “Ele disse que naquele momento já estava vendo a cabeça da criança. Então, ensinei os procedimentos para que fizesse o amparo do parto e recepcionasse a criança”, explica.

O fato ocorreu em junho. A reportagem ouviu o áudio de gravação da ligação e notou a calma do profissional para executar o apoio, o que deixou a situação controlada. Enquanto o procedimento era feito, o resgate do Corpo de Bombeiros já estava a caminho da casa da família, em Santo Anastácio. “Foi a primeira vez que acompanhei um parto por telefone, e é muito gratificante pra gente que trabalha diariamente com desastre”, afirma o soldado.

Tamanha a gratificação, que Vilerá foi convidado a ser padrinho de batismo da criança. Inclusive, fez questão de realizar um encontro entre as duas famílias semanas depois que o bebê veio ao mundo. “Ele se tornou parte da minha família”, afirma Marcelo Alves de Freitas, 30 anos, pai da pequena Ana Clara, que nasceu com o auxílio do soldado.

Por coincidência, o nome da criança é o mesmo da filha do bombeiro, o que chamou a atenção. “Minha esposa está bem feliz e toda a família também. Se não fosse pela ajuda dele, a situação poderia ficar fora de controle”, afirma.