José Reis: Bloco do Guri contou com aproximadamente 15 alunos que tocaram diversos instrumentos

CLIMA CARNAVALESCO

Bloco do Guri agita tarde de assistidos da Unipode em PP

15 alunos do Projeto Guri proporcionaram uma festa com samba, adereços, marchinhas e danças; iniciativa deve agendar data para apresentação no centro

  • 01/03/2019 08:00
  • GABRIEL BUOSI - Da Reportagem Local

Os alunos do Projeto Guri de Presidente Prudente entraram no clima carnavalesco e na tarde de ontem fizeram a maior festa, bem como levaram toda a alegria da época mais agitada do ano para as dependências da Unipode (União das Pessoas com Deficiência). A iniciativa, que foi criada em 2011, é chamada de Bloco do Guri e ocorre simultaneamente em diversas cidades do Estado. A necessidade de alterar o local que inicialmente receberia o bloco, no centro da cidade, por causa da chuva, no fim das contas foi o grande diferencial desta edição, que promoveu a interação entre crianças, jovens e adultos, estes que são pra lá de especiais, em uma atividade com direito a marchinhas, adereços e muito sorriso no rosto. 

A gerente regional do Projeto Guri, Fabiane Peres, afirma que uma vez ao ano, na semana do carnaval, o bloco se apresenta em algum lugar pré-determinado do município, de forma que para a ocasião é preciso uma preparação especial com os alunos com a inserção, por exemplo, da história do samba, marchinhas e músicas que estão dentro da apresentação. “O Guri trabalha em várias temáticas e dentro de uma delas estão os ritmos brasileiros, como o samba e o frevo. Essa troca de experiências promove um conhecimento cultural muito grande e permite que crianças que não participavam dessa tradição possam ser inseridas na festa”, salienta.

A apresentação estava marcada para ocorrer no centro de Presidente Prudente, mas por causa do tempo de chuva precisou ser alterada para a Unipode. A organização lembra, no entanto, que nos próximos dias deve agenda uma nova data para levar o bloco ao calçadão. A mudança, que inicialmente poderia ser encarada como um desafio, por sair dos planos iniciais, no fim das contas foi o grande diferencial, já que promoveu uma grande, bonita e animada festa aos assistidos da Unipode, que deram orgulho à organização e aos presentes.

“Essa atividade é de extrema importância, pois a maioria deles não tem acesso a eventos culturais, muitas vezes por dificuldades da família mesmo que não tem um transporte adequado ou pela ausência de recursos”, afirma a coordenadora, Patrícia Alves de Souza. Ainda de acordo com ela, a Unipode é totalmente adaptada para o público, o que permitiu e garantiu uma diversão e que era visível e clara no rosto de cada um deles. “Tirar eles da rotina é uma das nossas alegrias e o bloco conseguiu apresentar um mundo que muitas vezes é visto apenas pela televisão”.

 

Fizeram bonito!

O pequeno André Souza, de 14 anos, foi o responsável por levar a música por meio do repinique, instrumento que tem contato desde o ano passado e que é motivo de alegria para ele. “Estou no Guri desde 2014 e já participei outras vezes do bloco. Para mim é sempre muito legal, pois as iniciativas do projeto são entusiasmantes e o carnaval é uma grande festa”, lembra.

O amigo, Virgílio Caetano, 12 anos, está há aproximadamente quatro anos no Guri e ressalta a importância de levar a alegria para outras pessoas por meio da própria alegria, que é estar em contato com os instrumentos musicais. “Eu toco vários e não consigo ter apenas um preferido. Hoje eu fiquei na caixa e a nossa felicidade é justamente essa explosão de alegria proporcionada pelo carnaval. Espero participar em outros anos”, finaliza.

SAIBA MAIS

Mantido pela Secretaria de Cultura e Economia Criativa do Estado de São Paulo, o Projeto Guri é o maior programa sociocultural brasileiro e oferece, nos períodos de contraturno escolar, cursos de iniciação musical, luteria, canto coral, tecnologia em música, instrumentos de cordas dedilhadas, cordas friccionadas, sopros, teclados e percussão, para crianças e adolescentes entre seis e 18 anos - até 21 anos nos Grupos de Referência e na Fundação CASA -. Cerca de 50 mil alunos são atendidos por ano, em quase 400 polos de ensino, distribuídos por todo o estado de São Paulo.