José Reis - Bairro faz parte de um conjunto de vilas pequenas da zona leste

Foto: José Reis - Bairro faz parte de um conjunto de vilas pequenas da zona leste

TRADICIONAL

Bairro de pequeno porte, Vila Rainho é assistida por serviços vizinhos

A escassa população, composta predominantemente por famílias que estabeleceram raízes no bairro e moram há décadas no local, é atendida por serviços públicos situados nas imediações

  • 03/03/2019 06:03
  • ANDRÉ ESTEVES - Da Reportagem Local

Entrar na Vila Rainho é conhecer um pedacinho da zona leste de Presidente Prudente. A localidade faz parte de um conjunto de pequenas comunidades que se conectam e aparentam ser uma só. Os limites entre uma área e outra confundem até os moradores, que se sentem compartilhando o mesmo bairro. O que ajuda a distinguir são as placas indicando os logradouros. Entre as poucas vias que ligam o local, destaca-se a que lhe dá nome – Rua Manoel Rainho Teixeira, onde estão instalados os poucos serviços comerciais. Os grandes estabelecimentos devem ser buscados fora dali, por meio da Avenida Tancredo Neves, no entanto, há pequenos bares e mercearias que atendem prontamente os munícipes interessados em fazer compras menores ou pontuais.

A escassa população, composta predominantemente por famílias que estabeleceram raízes no bairro e moram há décadas no local, é atendida por serviços públicos situados nas imediações. A comerciante Maria Leonice Costa Macedo, 41 anos, diz que os usuários podem recorrer à UBS (Unidade Básica de Saúde) do Jardim São Pedro e, em casos de urgências e emergências, à UPA (Unidade de Pronto-Atendimento) do Jardim Guanabara. A segurança pública é outro aspecto destacado pela comerciante, que possui um estabelecimento há 14 anos e nunca teve problemas com assaltos e furtos. O serralheiro Donizete Zanuto, 50 anos, já mora há mais de três décadas no bairro e também se sente “privilegiado”. “Desde que cheguei aqui, jamais mexeram em nada do que é meu”, comenta. Além disso, elogia as atuais condições do asfaltamento e da iluminação pública. “Certa vez, a luz de um poste queimou, mas acionamos a Prefeitura e uma equipe foi enviada para fazer o reparo”, menciona.

O aposentado Mário Carnelós, 80 anos, é outro que confia na segurança da vila, tanto que, por 30 anos, deixou na rua o caminhão usado para trabalho e não teve nenhum incômodo. O único problema que enfatiza é a alta velocidade em que veículos trafegam na Manoel Rainho Teixeira, mas não acredita que a via demande obstáculos. “A rua está muito bem sinalizada. O que falta é as pessoas se conscientizarem sobre a velocidade correta na hora de dirigir”, expõe.

A comerciante Sidnéia Valéria dos Santos, 36 anos, por sua vez, relata que, em termos de lazer, a população conta com o CEU (Centro de Arte e Esporte Unificado) “Professor Samoel Brondi”, localizado no Parque Alvorada, o qual oferece anfiteatro, biblioteca, pista de skate, playground, quadra poliesportiva e sala de informática. De forma geral, ela está contente com o bairro e diz que não o deixaria. “É uma vila muito boa, sossegada e confortável. Nos sentimos felizes aqui”, pontua.

 

ESTRUTURA DO BAIRRO

Data de implantação: 01/09/1964

Área de loteamento: 38.306,00 m²

Área verde: 4.186,00 m²

Quadras: 9

Construções: 138

Terrenos baldios: 6

População estimada: 552 pessoas

Fonte: Secom

 

SERVIÇO

A população pode promover suas reclamações, críticas e elogios sobre o bairro em que reside. O contato deve ser feito com os profissionais da Pauta, por meio do pauta@imparcial.com.br, do telefone 2104-3732 ou do WhatsApp 99104-8537.