Atual cenário nos leva a falar cada vez mais sobre a dengue

  • 31/01/2020 04:00

Não são apenas números aumentando a cada dia em Presidente Prudente, região e no país, mas pessoas estão morrendo por causa da dengue! Trouxemos ontem, inclusive neste espaço, mais uma morte suspeita pela doença, um homem de 71 anos, em Pirapozinho. E na edição de hoje, lamentavelmente, trazemos o segundo caso suspeito em Presidente Venceslau, um homem de 43 anos. O primeiro no município foi registrado no dia 16, também um homem de 48 anos.

Em Presidente Prudente, considerado dentre estes o segundo da região, uma idosa de 92 anos, moradora do Residencial Jarina, também faleceu na semana passada, supostamente por complicações ligadas à dengue. Ou seja, quatro famílias que certamente estão sofrendo a partida de seus entes queridos, talvez não pela falta de conscientização das próprias vítimas, mas por parte de uma população que parece não aprender nunca que é obrigação dela cuidar de seus próprios quintais, de suas casas e não das esferas governamentais.

Campanhas e mais campanhas são realizadas pelas pastas de Saúde, ensinando, orientando e reforçando todos os anos que a melhor forma de prevenção da dengue é evitar a proliferação do mosquito Aedes aegypti. Como? Eliminando água armazenada em objetos que podem se tornar possíveis criadouros, como vasos sanitários ou piscinas de pouco uso ou sem manutenção, recipientes de plantas, pneus, garrafas pets, e até mesmo em pequenas “coisas”, como tampinhas de garrafas e embalagens plásticas.

Parece bobagem não é mesmo? Aonde já se viu um papelzinho de bala, jogado na rua, ser um criadouro desse tal mosquito da dengue? Pois acredite que esse papelzinho, a latinha de cerveja ou refrigerante podem sim ser um lugar “aconchegante” para este pequeno inseto, mas de gigantesco perigo, se proliferar!

O assunto ocupa mais uma vez este espaço, por sua relevância. O atual cenário nos leva a falar cada vez mais sobre a dengue. Se você não tem amor à sua vida, o problema é seu. Mas a sua irresponsabilidade e a falta de amor por si mesmo podem matar muita gente. E ninguém merece chorar pelos seus entes queridos ou amigos por sua falta de educação, higiene e humanidade.