Sérgio Borges - “Quero melhorar a minha marca nesse campeonato e correr abaixo dos 53 segundos”, afirma Maria Victoria

Foto: Sérgio Borges - “Quero melhorar a minha marca nesse campeonato e correr abaixo dos 53 segundos”, afirma Maria Victoria

COSTA RICA

Atletismo promete brilhar no Pan-Americano

Recentemente, atletas prudentinas da modalidade ganharam dois ouros e uma prata no Campeonato Sul-americano Sub-20, em Cali, na Colômbia

  • 17/07/2019 06:26
  • OSLAINE SILVA - Da Redação

A última vez que a atleta prudentina Maria Victoria Belo de Sena, de 19 anos, representou o país, ela orgulhou a todos conquistando duas medalhas de ouro, uma no revezamento e outra no individual. Deisiane Teixeira, também de 19 anos, é a jovem do lançamento de dardo que, por sua vez, por pouco não ganhou a “douradinha”, mas garantiu uma prata para o Brasil. Ambas as atletas estão concentradas em Bragança Paulista e, até a tarde de hoje, embarcam para mais um desafio. Desta vez elas levam o nome de Presidente Prudente para o Pan-Americano de Atletismo Sub-20, em San José, na Costa Rica. Por conta de uma lesão no pé, Giovana Rosália dos Santos, de 18 anos, que também correria os 400 metros, como Victoria, está fora da competição.

“Minhas duas últimas conquistas foram o Campeonato Brasileiro de Atletismo Caixa Sub-20, em maio, em Bragança Paulista. E, no Campeonato Sul-americano Sub-20, em Cali, na Colômbia, nos dia 15 e 16 de junho. Fui ouro nos 400 metros rasos e ouro no revezamento feminino! Quero melhorar a minha marca nesse campeonato e correr abaixo dos 53 segundos!”, afirma Maria Victoria, que antes do atletismo praticou vários esportes, até aos 15 anos decidir que realmente queria se tornar uma atleta profissional das pistas.

Inaldo Sena é o treinador da velocista e também seu pai. Mas não pense que nas pistas ele assume esse papel. De acordo com o treinador, existe uma separação natural das coisas. “As expectativas são as melhores. Acredito que ela vá à busca de superar a si mesma, bater sua marca e correr abaixo dos 53’. Porque não existe adversário maior que nós mesmos, não é verdade?’”, relata Inaldo.