Auxílio a mais

Atletas de Prudente demonstram interesse ao Bolsa Atleta

Programa do Ministério do Esporte abriu inscrições e é disponibilizado a esportistas bem colocados do ranking brasileiro

JULHIA MARQUETI - Especial para O Imparcial • 07/10/2018 04:35:00

Com o prazo de inscrições até o dia 11 de outubro, o Ministério do Esporte abriu inscrições para o programa Bolsa Atleta desde segunda-feira. Com a publicação do edital, via DOU (Diário Oficial da União), o atleta interessado pode fazer sua inscrição pela internet, lembrando que a seleção leva em conta os atletas que praticam as modalidades olímpicas e paralímpicas que estarão nos Jogos de Tóquio, em 2020, servindo como base o desempenho dos esportistas em provas disputadas no ano passado.

Ao todo, o projeto busca beneficiar mais de 5,8 mil atletas olímpicos e paralímpicos, com investimento previsto de R$ 78,9 milhões, ao longo de 12 meses. Diante do cenário atual, onde o esporte muitas vezes não é apoiado nas cidades, principalmente a prática dos atletas que ainda estão no início, o auxílio acaba se tornando de grande importância. Em Presidente Prudente não é diferente, e a vontade de ter mais uma contribuição passa pela cabeça dos atletas Giovanna Ribelatto Monteiro e Bruno Hosokawa de Oliveira, pela natação, além de Henrique Malheiros, Fabio Lima, Maria Victória Sena e Giovana Rosália, pelo atletismo prudentino.

Para a nadadora Giovanna, o incentivo ao esporte se torna de total importância, já que a modalidade não é barata para se bancar. “Envolve várias coisas como maiô de treino que dura de dois a três meses e não é tão barato, suplementação que precisamos de muito por treinar muito. Então, são necessários os repositores, proteínas, whay, para manter um ritmo e as resistências. Eu passo por nutricionista, então preciso ter uma alimentação em dia e a bolsa me ajuda muito nisso para fazer este suporte de todas as coisas”, destaca. Além disso, Giovanna explica que não teria condições de se manter, se não fosse o Bolsa Atleta. “Meus pais não teriam condições de me bancar, de pagar tudo isso que eu pago, e com certeza eu precisaria parar de treinar para trabalhar, mas eu sentiria muita falta, porque a natação me complementa muito”, enfatiza.

O fato de precisar abandonar o esporte, em busca de outra profissão não é novidade no Brasil, segundo o treinador de natação, Elvancir Pereira do Nascimento, Pepe. “Essa bolsa é fundamental para a permanência do atleta dentro do esporte, ajuda nas viagens também. Nós já perdemos vários atletas e continuamos perdendo, porque muitos têm que parar para trabalhar, infelizmente é muito natural no nosso país”, explica.

Citando mais um exemplo que pode ser motivo do abandono dos atletas, o treinador de atletismo, Inaldo Sena, cita a falta de patrocínio por conta das empresas. “A maioria para muito cedo por não ter condições financeiras de participar da modalidade que gosta ou ter aptidão mesmo, porquê para participar de treinamentos, tem que ter o passe de ônibus, lanche, tênis, sapatilha, short, camisetas e tudo o que é necessário”, pontua.

 

 

Estilo do Site
  • Luz
  • Alto Contraste