José Reis - “Estou muito feliz com esse passo e a oportunidade que estou tendo”

Foto: José Reis - “Estou muito feliz com esse passo e a oportunidade que estou tendo”

MENINO DE OURO

Atleta é selecionado para treinar em Ibiúna

Emanuel Madeira viaja entre o fim deste mês e agosto para encontrar o colega Gustavo Macena, também bolsista do CT (Centro de Treinamento) da Major League

  • 27/07/2019 08:13
  • OSLAINE SILVA - Da Redação

Mais um atleta da Acae (Associação Cultural, Agrícola e Esportiva) de Presidente Prudente, Emanuel Madeira, de 12 anos, foi escolhido para treinar no CT (Centro de Treinamento) da MLB (Major League Beisebol), a liga profissional americana da modalidade, em Ibiúna. Ele deve viajar entre o final do mês e o começo de agosto, segundo o técnico, Roberto Saito, de 52 anos. O atleta já vinha sendo observado por olheiros da Major League, tanto por seu tamanho e força quanto por sua técnica. Até que no final de junho ele participou de uma seletiva e foi escolhido.

“Ele é um dos mais novos atletas que está entrando para treinar no CT. Ficamos muito contentes porque batalhamos para o desenvolvimento dele e agora vê-lo ir para um lugar que, se realmente quiser virar um profissional de beisebol, é o local certo. Ano passado conseguimos levar outro atleta nosso para lá, o Gustavo Macena, e agora o Emanuel”, comemora o técnico.

O atleta está indo como bolsista, com todas as despesas pagas, como escola particular e alojamento pela Major Legue. “Isso é algo muito bom para a família, que não vai ter que se preocupar com os principais gastos. Ou seja, já é meio caminho andado, é só ele se dedicar e seguir os caminhos para um futuro promissor”, explica Roberto.

Bastante ansioso, afinal, apesar do tamanho, Emanuel é só um menino, o garoto diz estar muito feliz, pois esta é uma oportunidade em um milhão. Ele relata que tinha muita vontade de ir para Ibiúna, porque o CT é o caminho mais certo para a realização do seu sonho de se tornar um jogador profissional. “Estou treinando de dois em dois dias para ter um preparo físico bom para quando chegar no CT aguentar o pique. Como já fiquei bastante tempo longe da família, quando viajo para campeonatos, isso não vai ser muito difícil. Só a saudade é que não tem jeito. Mas, como o Gustavo já está lá vou ter um amigo para me fazer companhia. Estou muito feliz com esse passo e a oportunidade que estou tendo”, exalta o menino, que está no 7º ano escolar e sabe bem o que quer ser quando “crescer”.