IMPASSE

Antes da decisão, clima esquenta no Corinthians de Prudente

Direção do clube efetuou o pagamento referente a arbitragem ontem e o confronto de amanhã segue confirmado

Há um dia da final da Taça Paulista 2018 entre Corinthians PP e Montealtense, o clube prudentino enfrenta impasses para a apresentação do time em campo. O clima é de tensão entre diretoria e jogadores, devido desentendimentos referentes ao pagamento da arbitragem para o dia da disputa. Os atletas alegam que caso a remuneração não seja efetuada o time será eliminado do campeonato. No entanto, o presidente do alvinegro, Pérsio Menezes, esclarece que os problemas já estão sendo resolvidos e afirma que a equipe não deixará de entrar em campo neste domingo. Na tarde de ontem, a direção efetuou o pagamento referente a arbitragem e o confronto de amanhã, marcado para as 10h, no Estádio Paulo Constantino, Prudentão, segue confirmado.

O presidente explica que em outras partidas os árbitros eram indicados por cada região para a Liga de Futebol Nacional do Brasil, prestando um serviço no valor de R$ 600, mas nesta disputa haviam sido pedidos profissionais de São Paulo para dar um “ar” mais profissional ao jogo. “O valor que eles estavam cobrando era de R$ 3 mil, por isso achamos melhor não fazer essa opção”. Ele conta que após essa situação, os árbitros da região, que sempre participaram das disputas, ficaram sabendo. “Eles ficaram bravos com isso e dobraram o preço para R$1,2 mil”, declara.

Pérsio afirma que devido a isso entrou em contato com a Liga para negociar o valor, que chegou a ser reduzido para R$ 850. “Não queria assumir um erro como este. Os jogadores pensam no time em campo, mas não sabem o que acontece nos bastidores”, revela. No entanto, o presidente do clube prudentino teria até à tarde de ontem para efetuar o pagamento, pois embora não conformado, havia aceitado o valor final. “Vou pagar, mas com muita indignação”, frisa. O pagamento foi realizado antes das 16h.

 

Time

A equipe, diante de todos esses impasses, apresentou receio quanto à apresentação na final, pois caso o pagamento da arbitragem não fosse realizado, o time seria eliminado da competição e perderia o título. “É o futuro da carreira de muitos que está em jogo, infelizmente estão brincando com os sonhos destes meninos. Os atletas estão fazendo de tudo, ganharam o primeiro jogo de 1 a 0 e agora estão a um empate de ser campeão, com melhor campanha em todos os quesitos”, afirma o técnico do clube, Bruno Monteiro.

O jogador Luiz Alceu Ferreira, 28 anos, afirma que a conquista do título da Taça Paulista é como um sinal de superação, diante de tantas dificuldades. “A coroação desse campeonato para os atletas e a comissão. Será como o resultado de um trabalho de muita entrega e, para mim, é como uma oportunidade de almejar coisas maiores para minha carreira”, declara.

 

Dificuldades

Pérsio afirma que não possui nenhum apoio de patrocinadores para fazer a gestão do time. “A nossa maior dificuldade são as promessas de patrocínio que acabam não se concretizando, pois, os nossos custos são elevados e, muitas vezes, a situação fica apertada para manter o time”. Ele relata que o clube possui apenas parcerias, como academias que deixam os jogadores treinar e uma malharia que produz o uniforme dos atletas com um preço abaixo da tabela. “Com todos esses problemas, posso dizer que estou desmotivado, não só pela parte financeira, mas também por parte da organização”, acrescenta.