A família, como vai?

  • 11/08/2019 05:10
  • Sandro Rogério dos Santos

A Igreja Católica no Brasil sugere a segunda semana de agosto como SNF (Semana Nacional da Família). As comunidades se organizam conforme as possibilidades locais para que mais pessoas sejam alcançadas pelos temas e orações em favor da família. Em 1994, a CF (Campanha da Fraternidade) tratou o tema “fraternidade e família” com o lema “A família, como vai?”. Uma pergunta sempre atual a exigir resposta reflexiva, diferente de quando perguntados “tudo bem?”, e respondemos “tudo bem!” – mesmo que esta não seja a verdade –, por acreditarmos que o interlocutor não esteja disposto a nos ouvir sinceramente.

“A família, como vai?” é o tema da SNF-2019. Primeiro, para comemorar os 25 anos daquela CF; segundo, para verificar a realidade social e familiar atuais. A pastoral familiar – mais bem organizada – procura auxiliar as famílias em seus vários momentos a se conhecerem, se reconhecerem cristãs e atuarem como tais. Os desafios são contínuos e diversificados: desemprego, mentalidade descartável, transferência de responsabilidade na educação de filhos, violência doméstica, cultura do divórcio, dificuldade de relacionamentos, choque de gerações, aborto e mentalidade contraceptiva, escassez de políticas públicas que valorizem e protejam as famílias, revolução e interferência da internet e de dispositivos digitais...

“A família, como vai?” é a provocação para que nenhuma família comece de repente ou termine por falta de amor; é a constatação de que todo dia há novidade, ora boa, ora má, reclamando atenção e empenho; é a tentativa de despertar a consciência social dos indivíduos que a formam com vistas à superação da maior quantidade possível dos desafios anteriormente apresentados; é a oportunidade de olhar para dentro das paredes da casa que se quer formar um lar e enxergar cada pessoa em sua singularidade; é o grito da sociedade que se vê esgarçada e à deriva, pois sabedora de que a família é sua célula-mãe.

“A família, como vai?” poderia ser o tema de uma reunião familiar. Reunir as pessoas da casa e lançar a cada indivíduo essa pergunta. Não ter medo das repostas nem interferir na visão do outro. Da escuta sincera e sem censura poderá emergir um panorama disponível a todos e daí a possibilidade de alteração do cenário. Muitas dificuldades familiares não são resolvidas por falta de tempo, de escuta, de diálogo, de enxergar o que realmente se passa. Ao enxergar já se terá dado passos significativos para melhorias no ambiente micro e macro. Não se pode jamais partir para o ataque do outro; acreditar que todo o mal da casa está na atuação do outro. Todos os membros têm a sua implicação e parcela de responsabilidade, nem sempre culpa, mas responsabilidade.

“A família, como vai?” é a pergunta que não quer nem será calada. Rezemos e nos empenhos pelo fortalecimento da família. O futuro da humanidade passa pela família. A paz interior passa pela paz entre os membros da família. A bênção da família exige que hoje você tome consciência e se decida por ser família e viver família.

Seja bom o seu dia e abençoada a sua vida (e a sua família). Pax!!!

 

 

 

ÚLTIMAS DO AUTOR

Sonhar acordado

  • 25/08/2019 05:17

Um anjo está contigo

  • 18/08/2019 04:10

Ipês, cidade e cidadania

  • 04/08/2019 06:05
Sandro Rogério dos Santos

Sandro Rogério dos Santos

Sandro Rogério dos Santos é pároco do Santuário Diocesano Santa Teresinha do Menino Jesus e da Sagrada Face, situado no Jardim Maracanã, em Presidente Prudente.

Contato: padre@santuariosantateresinha.com

PUBLICIDADE