Arquivo - “Cigarro mata mais que homicídio e Aids”, diz médico

Foto: Arquivo - “Cigarro mata mais que homicídio e Aids”, diz médico

TABAGISTAS

90% da nicotina chega em 10 segundos ao cérebro humano

Dependência do tabaco acontece logo depois da pessoa experimentar o primeiro cigarro; o uso é a maior causa de incapacidade temporária e definitiva do mundo

  • 26/05/2019 05:06
  • WEVERSON NASCIMENTO - Da Redação

O Dia Mundial Sem Tabaco é uma data celebrada anualmente dia 31 de maio. Criada pela OMS (Organização Mundial da Saúde), a campanha tem como objetivo chamar a atenção para a epidemia do tabaco e para as mortes que causa, informando ao público sobre os perigos do uso, as estratégias da indústria e as ações para o controle do tabagismo. De acordo com o médico pneumologista Paulo Roberto Gomes, 55 anos, a dependência do tabaco acontece logo depois da pessoa experimentar o primeiro cigarro, uma vez que 90% do conteúdo é a nicotina, que atinge o cérebro em menos de 10 segundos, em uma área chamada de sistema límbico.

O médico explica que esta área está relacionada ao prazer, a emoção, a alegria e concentração. Então, faz com que o indivíduo, em um primeiro momento, se sinta bem e confortável. Isso produz, evidentemente, a dependência química, para que sinta o mesmo bem-estar já no segundo cigarro.

A campanha do Dia Mundial Sem Tabaco é uma oportunidade de engajar todos os setores da sociedade e, além disso, capacitar os países para fortalecer a implementação do plano de medidas para conter a epidemia do tabagismo. As ações educativas relacionadas ao tema ainda é a melhor forma de impedir que a pessoa entre em contato com o cigarro, explica o médico. “Esse método de conscientização é importante. O cigarro é a maior fabrica de doenças, que mata mais que homicídio, Aids e acidente de trânsito”. 

Consequência

Segundo a OMS, as doenças cardiovasculares são as principais causas de morte em todo o mundo, 17,7 milhões de pessoas todos os anos. O pneumologista explica que o perigo do tabagismo envolve doenças tanto de origem degenerativa, vascular e cancerígena. “O uso do tabaco é a maior causa de incapacidade temporária e definitiva do mundo, sobretudo o infarto agudo do miocárdio e aterosclerose coronariana”.

Paulo explica que, em curto prazo, o indivíduo que fuma pode produzir também um aumento da pressão arterial, aumento do batimento ou frequência cardíaca, queda na oxigenação pulmonar, dificuldade respiratória, irritabilidade da mucosa respiratória, como lacrimejamento, obstrução nasal, tosse e pigarreamento. E, em longo prazo, as doenças degenerativas como AVC (acidente vascular cerebral) e as cancerígenas, como câncer de boca, laringe, esôfago e pulmão, além de enfisema e bronquite crônica.

De acordo com o médico, o tratamento visa combater os sintomas da abstinência, classificadas por insônia, irritabilidade, nervosismo, agitação, para que o indivíduo com a ausência do cigarro consiga o controle. “Então, a pessoa para de fumar e, ao mesmo tempo, usa o medicamento que vai bloquear os sintomas da abstinência, como bloqueadores e receptores de nicotina, que vão atuar no cérebro para bloquear a necessidade do consumo”. Aademais, reforça a necessidade do amparo psicológico e motivacional.

Tabagista passivo

A campanha também informa as pessoas sobre como ter uma vida saudável e proteger crianças, adolescentes e jovens das consequências devastadoras do tabagismo. Segundo a OMS, os não fumantes, que respiram a fumaça do tabaco, têm risco aumentado de desenvolver doenças cardíacas em 25 a 30%.

De acordo com o médico pneumologista, este grupo de tabagista passivo, seja no ambiente domiciliar, no trabalho ou em qualquer ambiente, está sujeito às mesmas doenças que o fumante pode ter no que diz respeito ao tempo e a quantidade de exposição. “Quanto mais ele se expuser passivamente, e quanto maior for a quantidade, maior será a chance de ele desenvolver doenças, inclusive câncer e enfisema pulmonar”.