Weverson Nascimento - Médica acredita que autoconfiança seja fator determinante

Foto: Weverson Nascimento - Médica acredita que autoconfiança seja fator determinante

NÚMEROS

60% das vítimas no trânsito são motociclistas

Serviço de Reabilitação Lucy Montoro alerta que em 2018, 80% dos envolvidos eram homens, com média de 39 anos, e 30% sofreram amputação

  • 08/06/2019 08:44
  • WEVERSON NASCIMENTO - Da Redação

O Movimento Maio Amarelo chamou a atenção da sociedade para o alto índice de mortos e feridos no trânsito em todo o mundo. Por sua vez, o Serviço de Reabilitação Rede Lucy Montoro de Presidente Prudente, vinculado ao Ame (Ambulatório Médico de Especialidades), alerta que em 2018, 60% das vítimas de acidente de trânsito atendidas na unidade eram motociclistas e 30% foram atropeladas. No total, 80% são homens, com média de 39 anos, e 30% sofreram amputação.

Segundo a médica fisiatra do serviço, Carolina Mendes Pinheiro Nakama, 37 anos, uma das razões pode ser o fato de o público masculino ser o maior usuário de motocicletas, os quais tem mais “autoconfiança” do que as mulheres em relação ao uso do transporte.

De acordo com ela, alguns condutores abusam da habilidade da moto, principalmente os mais jovens. “Diante da facilidade da motocicleta eles se sentem superseguros e acabam realizando manobras arriscadas que ocasionam, principalmente, traumatismo crânio encefálico e amputações”.

A médica explica que fora os excessos de velocidade e autoconfiança dos condutores, na motocicleta a pessoa está totalmente exposta. “Às vezes não é culpa da pessoa que está conduzindo ou algo que tenha feito, mas chega um carro e toca nela. Esse tocar em uma moto é muito agressivo porque a pessoa está muito exposta, o que lesa bastante”.

Unidade

Atualmente, o serviço recebe pacientes dos 45 municípios da DRS-11 (Departamento Regional de Saúde) de Prudente. A unidade atende casos de lesões medulares, amputações e má-formação; LEA (lesões encefálicas do adulto); traumatismo craniano e acidente vascular encefálico; paralisia cerebral e dor incapacitante. Criada em 2008, a Rede conta atualmente com 19 unidades em funcionamento que realizam mais de 100 mil atendimentos por mês. Referência em reabilitação para pessoas com deficiência e doenças incapacitantes, o atendimento é realizado por uma equipe multidisciplinar, composta por médicos fisiatras, enfermeiros, fisioterapeutas, psicólogos, terapeutas ocupacionais, fonoaudiólogos, assistentes sociais e outros profissionais especializados.