309 condutores são autuados por embriaguez

GABRIEL BUOSI • 04/03/2018 03:47:15

Os números de autos de infrações aplicados por embriaguez ao volante nos 21 municípios que compreendem o 18º BPM/I (Batalhão de Polícia Militar do Interior) cresceram 6,92% entre 2016 e 2017, uma vez que passaram, respectivamente, de 289 para 309. Conforme a Polícia Militar, programas de conscientização são desenvolvidos com a intenção de apresentar as consequências da infração e que objetivam a diminuição nos casos. Para a especialista em trânsito, Luciane Napolitano, o aumento é preocupante, já que os delitos oferecem risco aos presentes nas vias e não apenas aos abordados pela corporação.

Os dados disponibilizados pela Polícia Militar mostram ainda que, do total, em 2016, foram 147 autos aplicados no primeiro semestre, além de 142 no segundo, que em 2017 saltaram de 153 nos primeiros seis meses para 156 nos seis demais. Já os flagrantes pelo delito, passaram de 151 em 2016 para 115 no em 2017. Conforme a polícia, eventos anuais, como eleições, ou mensais, como o carnaval, podem contribuir para a variação dos números, que não possuem uma ordem concreta.

“Temos realizado operações constantes voltadas a este tipo de delito. Desenvolvemos ainda programas de conscientização e fiscalização de trânsito, com a intenção de que o condutor tenha conhecimento dos riscos e consequências do ato, garantindo que, pelas providências tomadas, haja a preservação da vida e ordem pública”, esclarece a corporação. Segundo a Polícia Militar, o CTB (Código de Trânsito Brasileiro) relata que o condutor que dirigir com a capacidade psicomotora alterada por ingestão de substâncias será autuado nos termos do artigo 165, com multa de R$ 2.934.70.

 

“Lei rigorosa”

De acordo com Luciane Napolitano, o aumento “preocupante” pode estar ligado à quantidade de fiscalizações, que, com a frequência, flagra cada vez mais condutores em situações de embriaguez. “Vale lembrar que o risco se estende aos demais condutores, que estão de acordo com as leis no trânsito, e podem ser prejudicados pelo descaso dos infratores. A lei está cada vez mais rigorosa, mas mesmo assim, há casos diariamente sendo noticiados”, expõe.

Luciane ressalta que a infração proporciona sete pontos na CNH (Carteira Nacional de Habilitação), bem como a suspensão imediata do documento, que dura um ano. “Por este período, ele fica impedido de dirigir e terá, obrigatoriamente, que passar por um curso de reciclagem. O preparo é pela modalidade à distância, que no final tem uma prova com 30 questões”. Para ser aprovado, o candidato precisa passar com pelo menos 70% de acerto. Se reincidente, a pena é dobrada.

Questionada sobre o que falta neste campo hoje em dia à população, a especialista lembra que é necessário que os condutores tenham mais consciência dos seus atos, que podem trazer danos irreversíveis a todos que estão no trânsito. “Não é possível dizer que falta informação, já que o tema é abordado com frequência nas mais diferentes mídias e plataformas. Existem diversas possibilidades para a relação trânsito e bebida, como os táxis. Basta se esforçar para que problemas sejam evitados”, finaliza.

 

Fatores que influenciam

Para o sociólogo Marcos Lupércio Ramos, são três os fatores que estão diretamente ligados ao crescimento no número de autuações por embriaguez. O primeiro deles trata da falta de percepção de punição, quando mesmo ao saber que é algo imoral, o indivíduo permanece no delito. Já o segundo está ligado ao estímulo causado pelo grupo, neste caso os amigos do infrator. “Com isso, a pessoa não quer ser diferente, é influenciada a beber, ao ser convencida de que não será descoberta e segue a índole dos demais”, esclarece.

Já o terceiro fator diz que a vontade de beber, aliada ao estímulo, proporciona a busca pela sensação de felicidade, que é causada por determinados momentos pelo álcool.

Estilo do Site
  • Luz
  • Alto Contraste