Sexta-Feira . 22 Fevereiro . 2019
Oportunidade

2 mil jovens são inseridos no mercado de trabalho

Dados apresentados por instituições que realizam capacitações e encaminhamentos às empresas trazem balanço de contratações em 2018

Marcio Oliveira - Lorran entrou recentemente na vaga de aprendiz e afirma estar dando o seu melhor Marcio Oliveira - Lorran entrou recentemente na vaga de aprendiz e afirma estar dando o seu melhor

O jovem Lorran Henrique de Santana, 16 anos, participou da seleção do ano passado da Fundação Mirim, em Presidente Prudente, para começar a capacitação e buscar por uma vaga no mercado de trabalho em 2019. Na metade do mês de janeiro, ele entrou oficialmente na turma da instituição e, em seguida, já foi chamado para uma entrevista no Supermercado Estrela, unidade do Conjunto Habitacional Ana Jacinta, lugar onde conseguiu uma vaga de aprendiz há duas semanas. “Minha irmã e alguns amigos fizeram a capacitação na Fundação Mirim e isso me animou. Tem sido uma boa experiência, por ser meu primeiro emprego, e estou dando o meu melhor para ser efetivado”, afirma. As instituições que realizam esse tipo de trabalho de inserção no município informam que, em 2018, pelo menos 2.087 jovens ganharam uma oportunidade.

Antes de apresentar os dados das instituições, a reportagem conversou com o gerente de loja do Supermercado Estrela, Alexandre Borsari, onde o aprendiz Lorran trabalha, e questionou o representante sobre a importância da presença de estudantes nas empresas. Sem hesitar, ele informa que a disposição para auxiliar nos diversos setores é um diferencial. “A Fundação Mirim tem nos enviado cada vez mais jovens preparados e capacitados para o mercado de trabalho, até por causa da preparação que eles passam na unidade, e isso nos ajuda muito”. Alexandre esclarece ainda que, atualmente, o supermercado conta com sete aprendizes, o que faz com que diversos setores sejam beneficiados, como o depósito e os serviços de operações da loja. “O bom desempenho deles faz com que praticamente todos sejam contratados ao término do contrato, já que dificilmente alguém é dispensado”.

Mercado de trabalho

A Fundação Mirim, responsável pela seleção, capacitação e contato com as empresas, por sua vez, lembra que no ano passado foram 167 jovens que ganharam uma oportunidade no mercado de trabalho, número pouco inferior à quantidade do ano anterior, quando foram 172 oportunidades. O número de empresas parceiras, por sua vez, subiu de 65 para 80 se comparados os primeiros semestres dos anos. “O jovem entra com 15 anos, realiza os cursos de capacitação e ganha conhecimento sobre o que é o mercado de trabalho, noções básicas de informática, atendimento ao cliente, rotinas administrativas e tem, consequentemente, contato com as áreas que poderá atuar”, informa a analista de marketing da unidade, Jéssica Tumitan. Vale lembrar que não apenas o jovem, mas as famílias também são amparadas pela instituição, com palestras, por exemplo.

Já no CIEE (Centro de Integração Empresa-Escola) de Prudente, conforme a unidade, o objetivo é o de trabalhar diretamente na busca de oportunidades de estágio e também para Jovem Aprendizes nas empresas públicas, privadas e profissionais liberais, sendo que, paralelamente, a instituição mantém relação com unidades de ensino para a aproximação dos jovens que serão beneficiados com as vagas abertas. Em 2018, em torno de 1,5 mil jovens foram inseridos em ambos os programas, sendo que, no ano anterior, as contratações eram 15% a menos, conforme a unidade. “Projetamos um crescimento de 10% no número de vagas para o ano de 2019 em relação ao ano passado e, com a volta às aulas, prevemos ainda uma maior procura nas vagas de estágio e aprendiz”.

Já na Casa do Aprendiz Cidadão, 420 aprendizes foram contratados no ano passado, a partir de um trabalho com cursos de qualificação que são realizados ao público que vai de 14 a 24 anos. O número representa aumento, já que em 2017 foram 360 inserções por meio da instituição. “Eles ganham conhecimentos que vão desde a produção industrial até rotinas administrativas e, após a qualificação, são inseridos na formação continuada e encaminhados às empresas”. Em 2018, 2 mil jovens foram qualificados e, para 2019, as expectativas são boas.

DIFERENÇAS DO ESTAGIÁRIO PARA O APRENDIZ

- Aprendiz Legal é um programa voltado para a preparação e inserção de jovens no mundo do trabalho, que se apoia na Lei da Aprendizagem (10.097/2000), para que empresas de médio e grande portes contratem jovens com idades entre 14 e 24 anos. O contrato de trabalho pode durar até dois anos e, durante esse período, o jovem é capacitado na instituição formadora e na empresa, combinando formação teórica e prática.

- De acordo com o artigo 1º da Lei 11.788/08, estágio é ato educativo escolar supervisionado, desenvolvido no ambiente de trabalho, que visa à preparação para o trabalho produtivo de educandos que estejam frequentando o ensino regular em instituições de educação superior, de educação profissional, de ensino médio, da educação especial e dos anos finais do ensino fundamental, na modalidade profissional da educação de jovens e adultos.

Fonte: CIEE