Arquivo - VEM recomenda cobertura vacinal de 95%; no entanto, município possui uma média de 70%

Foto: Arquivo - VEM recomenda cobertura vacinal de 95%; no entanto, município possui uma média de 70%

EM INVESTIGAÇÃO

16 casos suspeitos de sarampo aguardam resultado em Prudente

Até o momento, há cinco positivos, sendo três importados, ou seja, vindos de outras cidades, e dois autóctones, contraídos no município, bem como três negativos

  • 12/09/2019 14:19
  • DA REDAÇÃO

Em Presidente Prudente, 16 casos suspeitos de sarampo aguardam resultado no Instituto Adolpho Lutz, conforme balanço atualizado hoje pela Sesau (Secretaria Municipal de Saúde), por meio da VEM (Vigilância Epidemiológica Municipal).

Além disso, como já noticiado, há cinco positivos, sendo três importados, ou seja, vindos de outras cidades, e dois autóctones, contraídos no município, bem como três negativos. Dessa forma, somando os números, até o momento foram 24 notificações.

Vale lembrar que, já diante da suspeita, a Prefeitura realiza o bloqueio vacinal das pessoas de convívio próximo ao munícipe com suspeita da doença. Assim, a VEM alerta sobre a importância de o morador dar todas as informações corretas ao procurar pela assistência médica.

“Principalmente, pedimos que passem o endereço certo, pois a ação é organizada a partir deste dado. Não pode ser endereço do parente próximo e sim de onde reside”, explica Elaine Bertacco, supervisora da VEM.

Ela alerta ainda sobre a importância da vacinação, uma vez que Prudente registra baixa cobertura vacinal. “O preconizado é que tenhamos 95% de cobertura e registramos uma média de 70%. O vírus está circulando na cidade e, se tivermos uma boa cobertura, não haverá muitas notificações, nem casos confirmados”, ressalta.

Em Prudente, a vacina pode ser dada em bebês a partir dos seis meses de idade, conhecida como “dose zero”. Entretanto, isso não descarta a necessidade da dose aos 12 e 15 meses. No caso das pessoas com até 29 anos de idade, a recomendação é de duas doses, e às pessoas a partir dos 30 e até os 59 anos (nascidos a partir 1960), a recomendação é de apenas uma dose.