Último mutirão mobiliza 250 voluntários em bairros de PP

Prudente

| ANDRÉ ESTEVES - Da Reportagem Local

O Fundo Social da Solidariedade de Presidente Prudente, em parceria com 100 atiradores do Tiro de Guerra e 250 voluntários de 24 entidades filantrópicas do município, realizou, na manhã de ontem, o segundo e último mutirão da edição de 2018 da Campanha do Agasalho. Na ocasião, foram percorridos 25 bairros das zonas central, oeste e leste, completando as 40 localidades que receberiam as ações de arrecadação. A coordenadora da iniciativa, Kátia Guímaro, aponta que o total de itens angariados ainda não foi contabilizado, mas está na torcida para que supere a marca atingida no ano passado, quando foram recolhidas 136 mil peças. Todos os vestuários, cobertores e calçados serão entregues às instituições participantes na quinta-feira, a partir das 9h, no Tiro de Guerra. No entanto, a população ainda pode contribuir nos pontos de coleta até o dia 29 de junho.

Kátia expõe que as peças recebidas até esta data serão repassadas às famílias cadastradas no Fundo Social. Se houver itens sobressalentes, estes, por sua vez, serão destinados para as entidades que não puderam participar da iniciativa. Para a coordenadora da campanha, este é um gesto solidário que vem para auxiliar as famílias sem condições de comprar um agasalho e estimular a consciência cidadã dos munícipes em doar aquilo que está “aposentado” em seu guarda-roupa. Kátia elogia a participação da comunidade nesse sentido e a recepção dos prudentinos todos os anos. “A campanha tem servido para aquecer não só os corpos, mas os corações”, comenta ela, que descreve a população como a maior voluntária.

Membro da Pastoral Social da Paróquia São Judas, Neuza Soares, 58 anos, participou pela primeira vez dos dois mutirões e ficou satisfeita como a iniciativa em prol do próximo. Ela conta que todos os itens destinados para a paróquia serão repassados para as famílias carentes do bairro e também aos moradores de rua, que são semanalmente atendidos pela pastoral com marmitas e ações de higiene pessoal. Já a aposentada Maria Neide de Souza, 61 anos, já começou a manhã colocando na varanda os sacos carregados de vestuários. “À medida que as crianças vão crescendo e perdendo as roupas, por que não doar ao invés de ficar guardando na gaveta?”, questiona a colaboradora, que também acredita no poder da retribuição. “Quanto mais doamos, mais recebemos”, pontua.

 

SERVIÇO

Os pontos de coleta recebem doações até o dia 29 de junho e podem ser encontrados em supermercados, bancos, repartições públicas, delegacias de polícia e Tiro de Guerra.

 

Bairros percorridos ontem

São Matheus, São Pedro, São Lucas, Jardim Belo Horizonte, Santa Olga, Iguaçu, Regina, Estoril, Inocoop, São Judas, Vila Geni, Jardim Paulista, Jardim Aviação, Vila Maristela, Vila Marcondes, Vila Brasil, Itapura I, Parque Alvorada, Vila Industrial, Vila São Jorge, Bela Dária, Vila Santa Helena, Vila Charlote, Vila Glória e Vila Lessa.

Comente com o editor

Estilo do Site
  • Luz
  • Alto Contraste