Cedidas: Equipe de seis mulheres grava cena do curta “Longe”, premiado internacionalmente

Foto: Cedidas: Equipe de seis mulheres grava cena do curta “Longe”, premiado internacionalmente

"Longe": curta-metragem premiado

Produzido por Vitória Campos, moradora de Presidente Prudente desde os 7 anos, o curta sobre LGBTQfobia ganha o mundo e vence festival no Texas (EUA)

  • 08/03/2020 08:45
  • MARCO VINICIUS ROPELLI - Especial para O Imparcial

O cinema, em sua mais pura e livre expressão, precisa seguir os rumos das artes e voltar-se paras as questões relevantes à realidade social. “O cinema é um modo divino de contar a vida”, ensinaria se vivo estivesse, o consagrado cineasta italiano, Frederico Fellini. Da mesma forma que os clássicos inspiram, os novos surpreendem. A estudante de jornalismo e, agora, cineasta de Presidente Prudente Vitória Campos, 20 anos, é a prova de que um trabalho engajado é ferramenta de transformação social.

Ela, nascida no Rio de Janeiro (RJ) e, junto da família, moradora de Presidente Prudente desde os 7 anos, mudou-se, recentemente, para cursar o ensino superior na Universidade Presbiteriana Mackenzie em São Paulo (SP). Por lá, durante um curso intensivo de Cinema da AIC (Academia Internacional de Cinema), conheceu as garotas, com as quais desenvolveu e filmou o curta-metragem “Longe”, que, além de várias indicações para importantes festivais, venceu a categoria “Best LGBTQ short” do Light and Future Internacional Film Festival, no Texas, Estados Unidos.

O filme, que discute a LGBTQfobia no contexto do Brasil em meio as eleições de 2018, foi executado por seis mulheres de diversas partes do país. Dirigiu “Longe” a carioca Mariana Stolze, que também foi responsável pela produção executiva; o roteiro é da pelotense Juliana Rosa; a produção foi encargo de Vitória Campos; a direção de fotografia esteve por conta de Lívia Aprá, de Florianópolis (SC); vinda de Vitória (ES), Lívia Reim foi responsável pelo design de som; e a curitibana Julie Lobo se responsabilizou pela direção de arte. O elenco é formado por Gabriela Moreno (Cecília) e Juliane Arguello (Ingrid). “Longe” é uma produção Paralelas Filmes, em parceria com Garota Filmes e apoio AIC.

“Ter sido a produtora de Longe foi uma experiência incrível, em que pude enfrentar desafios a cada momento, desde a concepção do projeto até a pós-produção do curta. Fui responsável pelos detalhes técnicos necessários para a gravação do filme. Sou muito grata pela oportunidade de ter trabalhado com pessoas tão incríveis e de ter representado um tema tão importante atualmente”, destaca Vitória Campos.

A RELEVÂNCIA DA DICUSSÃO
Pela AIC foi escolhido o tema dos curtas necessários à conclusão do curso: “o amor nos tempos de cólera”, homônimo ao livro do Prêmio Nobel da Literatura, o colombiano Gabriel García Márquez.

“Nos reunirmos para decidirmos importantes aspectos do roteiro e, com isso, foram compartilhadas experiências vividas por integrantes do grupo que, no período das eleições de 2018, época esta que a polaridade de opiniões políticas cresceu muito, sofreram preconceito e discriminação por parte de seus familiares devido a LGBTQfobia. Muitas pessoas não costumavam demonstrar publicamente suas aversões e preconceitos contra os LGBTQI+, porém, no determinado período em que o Brasil se encontrava, e se encontra até hoje, ficou muito mais fácil e cômodo expor o preconceito diante da tela de um computador”, salienta a produtora.

A história que o curta transmite, e que, consequentemente suscita discussões importantes, é justamente essa. Durante as eleições presidenciais no Brasil de 2018, uma jovem espera sua mãe para jantar. No entanto, uma postagem homofóbica em uma rede social a faz repensar seu relacionamento familiar.

Vitória afirma que o que a uniu as outras garotas foi “a vontade de retratar nos filmes histórias sobre mulheres contadas por mulheres, e não histórias femininas contadas pela perspectiva masculina, algo que acontece frequentemente no cinema.” pontua.

Sob este ponto de vista, possuem sucesso ao que se refere à identificação do público com a obra, que por vezes se sente representado, e por outro lado a recepção calorosa da crítica, já que as indicações e prêmios foram inúmeros. Além do festival no Texas, “Longe” foi semifinalista da mostra competitiva do CineVERSATIL em Buenos Aires. Também marcou presença no Fest Cine Pedra Azul (Domingo Martins [ES]), no FLIQ (Portland, Estados Unidos), Transforma (SC), Merlinka Festival (Belgrado, Sérvia), Festival Film Bahari (Java Ocidental, Indonésia), entre outros

Vitória afirma ter no cinema sua maior paixão. Pretende, portanto, estar cada vez mais ligada à área. Ela e as demais participantes do curta, criaram o coletivo audiovisual Paralela Filmes. “Com isso, pretendemos continuar produzindo conteúdo audiovisual, sempre prezando por histórias femininas”, frisa.

“Sou muito grata pela oportunidade de ter trabalhado com pessoas tão incríveis e de ter representado um tema tão importante atualmente”
Vitória Campos

 

O curta-metragem “Longe” está disponível na plataforma vimeo da Paralelas. Acesso através do link https://vimeo.com/320607241.
As redes sociais do coletivo audiovisual são @paralelasfilmes.