Pedro Silva - Lalau e LauraBeatriz mostram ao público o processo de confecção de um de seus livros

Foto: Pedro Silva - Lalau e LauraBeatriz mostram ao público o processo de confecção de um de seus livros

QUINTO DIA

Escritores interagem com crianças em festival

  • 15/08/2019 06:45
  • PEDRO SILVA - Especial para O Imparcial

Na manhã de ontem, no FLITPP (Festival Literário de Presidente Prudente), as crianças da rede municipal de Educação conversaram com a dupla Lalau e LauraBeatriz, escritores infantis em parceria há 25 anos, com mais de 50 livros publicados. Na oportunidade, os dois contaram suas trajetórias, desafios e também responderam perguntas dos ouvintes.

De uma maneira descontraída, o escritor de poemas e poesias, Lázaro Simões Neto, mais conhecido como Lalau, e a ilustradora Laura Beatriz subiram ao palco do Teatro Paulo Roberto Lisbôa, do Centro Cultural Matarazzo, e iniciaram a conversa explicando como era feita cada edição de seus livros. Lalau contou que suas inspirações vêm desde pensamentos aleatórios, até momentos de insônia. O poeta diz que não liga muito para os prêmios já conquistados por sua obra junto a Laura, pois “o prêmio para mim é ver o livro na mão de uma criança”.

Laura incentivou muitos ouvintes que se interessavam em saber como é a vida de um ilustrador profissional. A artista, que no início da carreira queria trabalhar como escritora, mostrou aos estudantes rascunhos originais do livro “A Última Árvore do Mundo”, enquanto detalhava o processo de criação. Os dois leram vários poemas de suas obras para a plateia.

Descrevendo o caminho que trilharam até se unirem em 1994, com o livro “Bem-te-vi e outras poesias”, Lalau contou como sua criatividade foi estimulada quando criança. Descreveu como brincava na rua e porque tinha uma árvore favorita em sua infância, fato que originaria o poema presente no livro “A Última Árvore do Mundo”. Quando questionado sobre a diferença da infância atual e de sua época por conta da tecnologia, e se isso afetara na criatividade das crianças, o escritor disse que busca sempre inspirar a leitura nos pequenos, se descrevendo como “teimoso”, pois sempre insiste nessa causa. Ele descreveu que o modo de brincar pode ter mudado, mas as crianças sempre serão criativas.

Durante a conversa, a ilustradora fez uma arte do último livro produzido pela dupla, “Passa lá em Casa”, e se descreveu como “só artista, pronto” ao contar o início de sua carreira quando tentou ser redatora publicitária. Lalau e LauraBeatriz dizem que deram sorte em sua jornada, pois Laura já tinha carreira como ilustradora, e Lalau tinha contatos com escritores que lhe ajudaram no início, mas incentivaram aqueles que querem seguir as mesmas carreiras.

 

Frases e pensamentos

Fora da programação listada do FLITPP, o estudante de Publicidade e Propaganda, Marcos Almeida, 21 anos, expôs várias frases para o público. Com o objetivo de mostrar sua arte, ele produziu uma intervenção pendurando suas frases e pensamentos em varais no coreto do Matarazzo.

O artista descreve sue trabalho como “partes de mim que eu escrevi”. Sem inspiração fixa, Marcos escreve sobre a sociedade, si mesmo, problemas psicológicos e inclusão. Para aqueles que gostem de uma das obras dele, o escritor dá uma folha com o conteúdo com um QR Code que leva diretamente a seu Instagram para acesso à grande parte de sua obra.

 

Música

Mais uma vez os alunos da Escola de Artes Municipal Professora Jupyra Cunha Marcondes se apresentaram na festa. Os violoncelistas abriram a conversa com os escritores e, logo após, dois alunos do grupo de canto entoaram canções de jazz para alegrar e dar as boas vindas aos escritores.