Discurso de Robert de Niro e 'The Band's Visit' marcam entrega do Tony Awards

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) • 12/06/2018 20:16:00

O musical "The Band's Visit", que retrata uma noite em uma pequena cidade de Israel, e a montagem "Harry Potter and the Cursed Child", com o personagem bruxo já adulto, foram os grandes vencedores da 72ª edição do prêmio Tony, o Oscar do teatro de Nova York. As obras levaram dez e seis troféus, respectivamente. Depois de uma "festa mexicana" no Oscar deste ano, com várias estatuetas para "A Forma da Água" e para a animação "Viva - A Vida É uma Festa", a maior premiação do teatro americano também concedeu boa parte de seus troféus para atores e técnicos de origem não americana. O auge do tom político nos discursos veio com a simplicidade e veemência de Robert de Niro. O ator, que não estava indicado em nenhuma categoria, subiu ao palco e soltou um "fuck Trump" (foda-se, Trump) de punhos cerrados e erguidos. Foi o suficiente para ser aplaudido de pé. De Niro ainda completou, "não é mais, 'abaixo, Trump', é 'foda-se, Trump'". Quem acompanhou pela TV, no entanto, não percebeu a manifestação. A TV americana, que exibe eventos ao vivo como esse com alguns segundos de atraso (justamente para se precaver de situações semelhantes) cortou o áudio. Na premiação, "The Band's Visit" foi soberano. Com músicas de David Yazbek e texto de Itamar Moses, o musical retrata a passagem de um modesto grupo de músicos egípcios por uma pequena vila israelense. Recebeu elogios rasgados da crítica especializada. Se a história parece familiar, não é por acaso. Antes de ganhar os palcos da Broadway, "The Band's Visit" foi exibido nos cinemas com o título brasileiro "A Banda", em 2008. O ator Tony Shalhoub (filho de pai libanês, mais conhecido pela série "Monk") e a atriz Katrina Lenk, que vivem um par romântico, venceram em suas categorias. O musical ganhou 10 das 11 categorias a que foi indicado. No segmento de produções não musicais, o domínio foi do universo de J.K. Rowling. A peça de Jack Thorne mostra Harry Potter 19 anos após o fim do sétimo livro da série. Levou o prêmio de melhor peça e mais outros cinco troféus (cenografia, figurino, iluminação, som e direção). O musical inspirado no desenho animado "Bob Esponja Calça Quadrada" e outra adaptação das telas ao palco, do filme "Meninas Malvadas", lideravam as indicações, com 12 cada um. Levaram, respectivamente, uma estatueta (melhor cenografia de musical) e nenhuma. Os dois espetáculos eram seguidos, em número de indicações, por "Angels in America", remontagem da peça de Tony Kushner que fez história nos anos 1990, sobre Aids e a ascensão do conservadorismo nos Estados Unidos. O remake venceu em 3 de 11 categorias que disputou: melhor ator (Andrew Garfield), melhor ator coadjuvante (Nathan Lane) e melhor remontagem.
Estilo do Site
  • Luz
  • Alto Contraste