Projetos sociais atendem 6,4 mil jovens em Prudente

SANDRA PRATA • 10/10/2018 09:57:00

Com o objetivo de abrir espaço para os jovens no meio social, na segunda-feira, a Prefeitura de Presidente Prudente divulgou no Diário Oficial do município o PMJ (Plano Municipal de Políticas Públicas de/para/com as Juventudes). O conjunto de ações pretende aproximar as novas gerações do convívio e incentivar o espírito participativo. Para que isso se torne uma realidade, a Coordenadoria Municipal de Políticas Públicas para a Juventude desenvolve 25 atividades e oficinas. Com destaque para aulas de violão, balé, inglês e informática, as atividades ocorrem nas praças da Juventude do Humberto Salvador, Ana Jacinta e Cohab, além do Centro de Arte e Esporte Unificado, no Jardim Itapura 1. Conforme o coordenador da Juventude, Thiago Oliveira, neste ano, as inciativas contemplaram 6.450 jovens.

Segundo o coordenador, a principal finalidade é provocar os mais novos para serem autores de suas próprias vidas. “Queremos mostrar que podem ser protagonistas, ir além do que imaginam e conquistar seus sonhos”, explica. Thiago destaca que algumas das aulas – como inglês, informática e violão - têm custo elevado no mercado. Por isso, os programas proporcionam, às vezes, uma experiência única para aqueles com menor condição financeira. “Muitas crianças só terão acesso ao que é oferecido aqui. É uma forma de ocupá-las com atividades produtivas e do gosto delas, ao invés de deixar com que fiquem na rua trilhando caminhos indesejáveis”, acentua.

Sobre o impacto social dessas ações, o coordenador destaca a construção do jovem enquanto cidadão e a melhora da adaptação ao convívio coletivo. De acordo com ele, as oficinas e atividades extraclasse trazem resultados benéficos em curto prazo. “Dentro de casa mesmo, as próprias famílias relatam que com as atividades eles começam a ser mais respeitosos e a se comportar melhor com pessoas do círculo do cotidiano”, frisa.

CONSTRUÇÃO HUMANA

Existente no município desde 1994, a Fundação Gabriel Campos desenvolve o projeto Caminhar. Com público de 147 jovens de 7 a 17 anos, são oferecidas aulas de desenho, informática e oficinas interativas. A coordenadora da entidade, Heloisa Veneno Furlan, explica que o objetivo é proporcionar oportunidades à faixa etária. “Como o próprio nome diz, queremos ajudá-los a trilhar seu próprio caminho, então, além de oficinas lúdicas, trabalhamos com preparo dos jovens para a vida, com orientações vocacionais, fortalecimento de laços com a família e atendimento psicológico”, acentua.

Entre os ganhos que a entidade busca proporcionar, Heloisa destaca o resgate da autoestima e da valorização do papel enquanto ser humano. Conforme ela, grande parte dos atendidos são provenientes de classes mais baixas, “por isso é importante que não se sintam inferiores aos outros e descubram que possuem um valor e um lugar no mundo”, explica.

Meta essa que já colheu frutos durante sua história. De acordo com a coordenadora, existem experiências de jovens que participavam das atividades da entidade e com isso se viram motivados a ingressar em um curso superior, por exemplo. “Temos uma oficina chamada ‘quero saber’ que visa desenvolver no aluno a curiosidade, a busca pelo conhecimento, justamente para que ele saia já pensando em dar continuidade aos estudos e encontrar um caminho”, relata.

COMEÇO DA VIDA

Após o suporte e o incentivo ao conhecimento, o jovem precisa buscar uma vaga no mercado de trabalho. É com esse engajamento que a Fundação Mirim de Presidente Prudente trabalha. A instituição privada tem como objetivo promover, por meio do projeto Jovem Aprendiz, a inserção do jovem distanciado de políticas públicas em empresas da cidade.

Segundo o gerente administrativo da fundação, Luiz Paulo Magi Zampieri, a missão central é transformar vidas. “O jovem, quando consegue seu primeiro emprego, se sente dignificado, e hoje é muito difícil conseguir isso se ele não tiver o apoio de uma instituição focada”, denota. Além disso, conforme o gerente, é feito todo um acompanhamento da rotina desse jovem. A finalidade é de se certificar de que tudo está ocorrendo como deveria e fomentar o desenvolvimento de habilidades como disciplina, reponsabilidade e compromisso.

Ainda conforme Luiz Paulo, participar de projetos públicos que acrescentem de alguma forma a formação dos atendidos e da qualificação fornecida pela fundação é a receita para o sucesso. “É um caminho que deve ser traçado para colher bons frutos no futuro”, pontua.

PERFIL

                                                              Marcio Oliveira

Nome completo: Giovanna Ridelatto Monteiro

Idade: 18 anos

Curso: Cursinho pré-vestibular

Escola: Colégio Criarte

Imparcial: Como funciona o projeto que você participa? Como conheceu?

Giovanna: Na verdade, acho que pode ser qualificado como um programa, programa de natação da Semepp [Secretaria Municipal de Esportes]. Faço parte da equipe principal e participamos de competições, treinamos toda semana na Apea [Associação Prudentina de Esportes Atléticos], tudo por meio da secretaria, que fornece o espaço, os treinadores e todo o incentivo para nós, atletas. Eu conheci o programa aos 12 anos, quando comecei a ter alguns problemas de saúde, tive pneumonia, o médico me recomendou que fizesse natação para aumentar a imunidade. Então, comecei a procurar as oportunidades aqui em Prudente, percebi que era um investimento caro, até que conheci a equipe da Semepp e comecei a treinar. 

Quando percebeu que levava jeito para o esporte? Quais benefícios para sua vida?

Natação sempre foi algo que gostei desde criança, sempre via na televisão os atletas nas olímpiadas e achava o máximo. Hoje posso dizer que estou quase onde sonhava, já tenho a natação como uma profissão, consegui meu objetivo de ser mais saudável, desenvolvi habilidades que só a natação poderia me dar, como disciplina, comprometimento, independência e qualidade de vida.

Além de poder treinar gratuitamente, recebe algum outro auxílio de políticas públicas?

Sim, recebo o “Bolsa Atleta” que é um projeto do governo que serve para ajudar os atletas jovens que, muitas vezes, não têm condições de manter-se no esporte. Natação, por exemplo, é um esporte caro, exige roupas especiais, alimentação diferenciada, tudo isso gera um custo. Conheço muitas pessoas que começaram a nadar, mas tiveram que parar por falta de condições. Se eu não tivesse o auxílio, teria que desistir de nadar para trabalhar, porque já não estava mais conseguindo manter os gastos.

Como avalia o investimento em projetos desse tipo para os jovens aqui na cidade?

A cidade investe em projetos, aulas, tudo gratuitamente. Mas acho que ainda precisa continuar evoluindo, levar esses projetos para dentro das escolas, porque é algo que acrescenta muito na educação, no ensino, não apenas academicamente, mas na construção da pessoa enquanto ser humano. Então é bom, mas ainda precisa de mais, não só aqui em Prudente, em todo lugar.

De que forma as políticas públicas contribuíram para sua construção ética, cidadã e pessoal?

O esporte, que é o que eu tenho contato, me fez crescer muito e aprender a conviver com outras pessoas diferentes de mim. Além disso me deu uma opção para gastar meu tempo com algo que eu goste e que seja produtivo, abre oportunidades de bolsas em universidades, tudo isso de graça, desde que exista dedicação. O esporte cria pessoas dignas, capazes e persistentes, então, sou muito grata a ter a oportunidade de continuar me aprimorando cada dia mais por meio da equipe.

Quais sonhos já pode realizar por meio do programa? Qual seu maior sonho atualmente?

Com a Semepp eu tive a chance de viajar para lugares que nunca imaginei em competições de natação. Já conheci Recife (PE), Santa Catarina (SC), Brasília (DF) e muitos outros. Foi graças à equipe que realizei meu sonhou de conquistar medalhas no meu esporte, e, acima de tudo, aprendi que não existem limites para os meus sonhos. Hoje só dependem de mim para serem realizados. Meu maior sonho, agora, é conquistar uma seleção brasileira e levar o nome do nosso esporte prudentino para fora do Brasil.

DICA DE FILME

Preciosa – Uma História de Esperança (2010)

                                                                             Divulgação

O filme de 1h50 traz a atriz Gabourey Sidibe como Claireece Preciosa Jones. A personagem é uma adolescente de 16 anos que sofre privações durante sua adolescência em um cenário de Nova Iorque no ano de 1987. Violentada pelo pai e abusada pela mãe, a jovem cresce irritada com o mundo e sem qualquer tipo de amor. Pertencente a uma classe social baixa e fora dos estereótipos comuns de beleza, Preciosa possui um filho com síndrome de Down e, por isso, é expulsa da instituição de ensino na qual estudava. Tudo parece desmoronar até que conhece um projeto de uma escola alternativa e encontra no local uma forma de fugir de sua existência traumática e mergulhar em sua própria imaginação.

AGENDA

Aulas de futsal da Semepp

Data: Toda terça e quinta-feira

Local: Praça da Juventude Lucas Nalini Paschoalin

Endereço: Rua Adelino Rodrigues Gatto, 1225 – Cohab

Telefone: 3907-4549

Horário: das 8h às 11h/14h às 17h

Preço: Gratuito

Aulas de informática básica

Data: Toda segunda, terça, quarta e sexta-feira

Local: Praça da Juventude Lucas Nalini Paschoalin

Endereço: Rua Adelino Rodrigues Gatto, 1225 – Cohab

Telefone: 3907-4549

Horário: das 8h às 14h

Preço: Gratuito

Aulas de Caratê

Data: Todos os sábados

Local: Praça da Juventude Lucas Nalini Paschoalin

Endereço: Rua Adelino Rodrigues Gatto, 1225 – Cohab

Telefone: 3907-4549

Horário: das 7h às 9h

Preço: Gratuito

                                                              Marcio Oliveira

Aulas de caratê e muitas outras são oferecidas gratuitamente pela coordenadoria

Estilo do Site
  • Luz
  • Alto Contraste